Pesquise em mais de 1800 postagens!

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Impossível ao Homem, Possível a Deus - Andrew Murray



Jesus respondeu: as coisas que são impossíveis aos homens são possíveis a Deus” (Lc 18.27).

Cristo disse ao jovem rico: “Vende tudo que tens ... depois vem e segue-me”. O jovem afastou-se muito triste. Cristo voltou-se então para os discípulos, e disse: “Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas!” Os discípulos, muito espantados, perguntaram: “Sendo assim, quem pode ser salvo?” E Cristo lhes deu esta abençoada resposta: “As coisas que são impossíveis aos homens são possíveis a Deus” (Lc 18.22-27).

O texto contém dois pensamentos – primeiro, que salvar-se e seguir a Cristo, com uma vida santa, são tarefas impossíveis ao homem. E segundo, que o que é impossível ao homem é possível a Deus.

Esses dois pensamentos configuram as duas grandes lições que o homem tem de aprender na vida cristã. Às vezes, é preciso muito tempo para aprender a primeira lição, a de que o homem não pode fazer nada, que a salvação é impossível para ele. E muitos são os que aprendem a primeira lição mas não conseguem passar para a segunda – a que diz que o que é impossível a ele é possível a Deus. Bem-aventurado é o homem que consegue aprender as duas lições! Porque representam marcos fundamentais na vida cristã.

O Homem Não Pode

A primeira etapa é aquela em que o homem tenta dar tudo de si e falha, torna a tentar com o mais ingente esforço e falha novamente, esforça-se mais ainda e mais uma vez falha. Tanto esforço perdido, porque ele ainda não aprendeu a lição. Por sua própria força, o homem não consegue servir a Deus. Pedro levou três anos estudando na escola de Cristo e nunca aprendeu que isso é impossível, até que negou o seu Senhor, saiu e chorou amargamente. E aí, aprendeu.

Vamos dar uma olhada, por um instante, para essa pessoa que está aprendendo a primeira lição. Primeiro, ela luta contra ela. Depois submete-se, mas com relutância e em desespero.  No fim, aprende a aceitá-la de boa vontade e regozija-se nela.

Logo que se converte à vida cristã, a pessoa não faz idéia dessa verdade. Converteu-se, sente a alegria de ter Jesus no coração, começa a correr a corrida e a combater o combate. Está certa de que pode vencer, pois é devotada e honesta e crê que Deus a ajudará. Mesmo assim, logo falha onde menos esperava e o pecado vence a batalha. Está desapontada, mas pensa: “Não fui prudente o bastante. Não levei minhas resoluções a ferro e fogo”. E mais uma vez se dispõe, novamente ora e novamente fracassa.

Aí pensa: “Não sou uma pessoa redimida? Não tenho a vida de Deus dentro de mim?” E torna a pensar: “Sim, e tenho Cristo para me ajudar. Posso viver uma vida santa.”

Mais adiante, inicia-se uma nova etapa de sua consciência. Começa a ver que essa vida é impossível, mas não quer aceitar a realidade. Milhares de cristãos chegam a esse ponto do “não posso”. E aí pensam que Deus não havia de esperar que fizessem o impossível. Se você lhes disser que Deus espera sim, estará lhes propondo um mistério. Muitos cristãos estão vivendo uma vida pobre, uma vida de fracasso e pecado, em vez de descansar na vitória, porque começaram a dizer: “não posso, é impossível”. No entanto, não o entenderam plenamente. E assim, vivendo sob a visão do “não posso”, dão lugar ao desespero. Farão tudo que podem, mas sem esperar ir muito longe.

Mas Deus conduz seus filhos a uma terceira etapa. Eles passam a entender o “não posso” em sua verdade plena, e ao mesmo tempo dizem: “Eu tenho de conseguir, eu vou conseguir, mesmo que seja impossível ao homem!”. O desejo renovado passa a exercer força total, e começam a orar intensamente e a implorar a Deus: “Senhor, que significa isso? Como posso libertar-me do poder do pecado?”

Esse é o estado do homem regenerado, descrito no capítulo sete da carta aos Romanos. Ali encontramos o cristão dando o máximo de si para ter uma vida santa. A lei de Deus lhe foi revelada no mais fundo desejo de seu coração. E ele ousa dizer: “Eu me comprazo na lei de Deus segundo o homem interior. Porque no tocante ao homem interior, tenho prazer na lei de Deus. Meu coração ama a lei de Deus e minha vontade a escolheu.”

Pode um homem nessas condições, com o coração cheio de regozijo pela lei de Deus e firmemente decidido a “fazer o que é certo”, falhar? Pode sim. É o que nos ensina o capítulo sete de Romanos. Há necessidade de algo mais. Não basta que eu me regozije na lei do Senhor em meu interior, nem que deseje o que Deus quer, preciso ainda que a onipotência divina opere em mim. É o que o apóstolo Paulo ensina em Filipenses 2.13: “Pois Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar segundo a sua boa vontade”.

Observe o contraste: em Romanos 7, o homem regenerado diz: “Pois o querer o bem está ao meu alcance, não porém o praticá-lo” (Rm 7.18). Mas em Filipenses capítulo dois, temos um homem que foi levado para mais além, alguém que compreende que quando Deus renova o desejo, concede também a capacidade de realizá-lo. Tomemos isso como a primeira grande lição de nossa vida espiritual: “É impossível para mim, meu Deus. Concede-me que a carne e seus poderes sejam subjugados, e também seja subjugado meu ego, e que minha impotência seja a minha glória”.

Agradeça a Deus pela divina lição que nos mostra que somos incapazes!

Não é verdade que, quando você se entrega totalmente a Deus, seu ego é subjugado? Percebe como você pode permanecer absolutamente rendido a Deus em todos os momentos de sua vida, em casa, no trabalho, no meio das provas e tentações? Minha oração a Deus é que você aprenda essa lição agora. Se você sentiu que não consegue vencer por si mesmo, está no caminho certo. Aceite essa posição e a mantenha diante de Deus. “O desejo e a alegria do meu coração, ó Deus, é entregar-me totalmente, mas eu não consigo, não tenho poder para efetuar esse desejo”. Submeta-se, aprenda que quando você está totalmente fraco, aí é que Deus efetua não apenas o querer mas o realizar.

Deus Pode

Agora começa a segunda lição. “As coisas impossíveis aos homens são possíveis a Deus.”

Eu disse há pouco que muitas pessoas que aprendem a lição de que não podem, entram em desespero e desistem. Vivem uma vida cristã frustrada, sem alegria, sem luta e sem vitória. E por quê? Porque não se humilham o bastante para aprender esta outra lição: com Deus, todas as coisas são possíveis.

Sua vida cristã tem de ser uma prova permanente de que Deus realiza os impossíveis. Sua vida cristã deve ser uma série de impossibilidades que se tornaram possíveis e reais pelo poder onipotente de Deus. É disso que o cristão precisa. Ele tem um Deus onipotente a quem adora, mas precisa aprender que não basta apenas um pouco do poder de Deus, porém – digamo-lo com a devida reverência – da sua total onipotência para manter-se no caminho certo e ter uma vida cristã.

Toda a cristandade é obra da onipotência de Deus. Veja o nascimento de Jesus: foi um milagre do poder divino, como disse Maria: “Para Deus, com efeito, nada é impossível.” (Lc 1.37). Foi a onipotência de Deus. Veja a ressurreição de Cristo. Aprendemos que foi pela imensidão do seu poder que Deus resgatou Cristo dentre os mortos.

Toda árvore cresce a partir de suas raízes. Um carvalho de 300 anos cresce sempre pela força de sua primeira raiz. A cristandade tem sua origem na onipotência de Deus. E perpetua-se em cada alma por essa onipotência. Todas as possibilidades de uma vida cristã mais elevada originam-se de uma nova compreensão do poder de Cristo de operar toda a vontade de Deus em nós.

Quero pedir-lhe agora para adorar o Deus Todo-Poderoso. Já sabe como fazer isso? Já aprendeu como se relacionar de forma tão íntima com um Deus Todo-Poderoso que consegue reconhecer quando sua onipotência está operando em você? Na aparência externa, muitas vezes, há poucos sinais disso.

O apóstolo Paulo diz: “Estive entre vós cheio de fraqueza, receio e temor; minha palavra e minha pregação nada tinham de persuasiva linguagem da sabedoria, mas eram uma demonstração de Espírito e de poder...” (1Co 2.3,4). Do ponto de vista humano, era fraqueza, na perspectiva divina, onipotência divina. E isso é verdade para qualquer vida dedicada a Deus. Se aprendêssemos bem essa lição e nos entregássemos total e completamente a ela, descobriríamos quanta bênção há em permanecer cada hora e cada momento na companhia do Deus Todo-Poderoso.

Você já estudou na Bíblia o atributo da onipotência de Deus? Você sabe que foi a onipotência de Deus que criou o mundo, que tirou a luz das trevas, e que criou o homem. Mas já analisou a onipotência de Deus na obra da redenção?

Veja Abraão. Quando Deus o chamou para ser o pai daquele povo, do qual o Cristo haveria de nascer, disse-lhe: “Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda em minha presença e sê perfeito” (Gn 17.1). E Deus preparou Abraão para confiar nele como O Onipotente.  Seja por sua ida para uma terra desconhecida, ou por andar como peregrino no meio de milhares de cananeus, sua fé dizia: “Esta é a minha terra”. Seja pela fé de esperar durante 25 anos por um filho em sua velhice, contra toda esperança, seja por ver Isaque restituído dos mortos no monte Moriá quando ia sacrificá-lo – Abraão confiou em Deus. Ele era forte na fé, dando graças a Deus, porque achou que aquele que prometeu é competente para executar.

A causa da fraqueza de sua vida cristã provém do fato de você querer vivê-la parcialmente e deixar Deus apenas ajudá-lo. E não pode ser assim. Você precisa tornar-se totalmente dependente e deixar Deus agir. Ele agirá gloriosamente. É disso que precisamos, se de fato queremos ser obreiros de Deus.

Posso provar através das Escrituras como Moisés, quando conduziu Israel para fora do Egito, como Josué, ao fazer o povo entrar na terra de Canaã, e como todos os servos de Deus no Velho Testamento, contaram com a onipotência de Deus para realizar os impossíveis. Esse Deus vive hoje, e é o Deus de cada um dos seus filhos.

Mesmo assim, alguns de nós queremos apenas uma pequena ajuda de Deus, enquanto fazemos o máximo esforço, em vez de compreendermos o que Deus quer, e dizermos: “Não posso fazer nada. Deus pode e fará tudo”. Você já disse: “na adoração, no trabalho, na santificação, na obediência a Deus, não posso fazer nada por mim mesmo e, portanto, meu papel é adorar a Deus e crer que ele trabalhará em mim todo o tempo”?

Oh, Senhor, ensina-nos isso! Oh, que Deus lhe mostre, pela sua graça, quem é o Deus a quem você serve, e em que Deus você confiou – um Deus onipotente. Ele deseja, com toda sua onipotência, colocar-se à disposição de cada um dos seus filhos. Você não quer aprender a lição do Senhor Jesus e dizer: “Amém, as coisas que são impossíveis ao homem são possíveis a Deus”?

Lembre-se do que dissemos sobre Pedro, sua autoconfiança, seu poder pessoal, sua vontade própria, e como ele chegou a negar o Senhor. Você tem sentido a lei da carne que governa sua vida. Mas, agora, você crê que ainda há libertação disso? Você duvida que o Deus Todo-Poderoso pode revelar Cristo em seu coração, deixar que o Espírito Santo o dirija, de forma que o egoísmo não terá poder nem domínio sobre você? Conseguiu juntar as duas coisas e, com lágrimas de penitência e completa humildade e fraqueza, gritar: “Oh, Deus, para mim é impossível, o homem não consegue, mas glória ao teu nome, contigo é possível”? Você clamou por libertação? Clame agora. Coloque-se em absoluta dependência nas mãos do Deus de amor infinito. Tão infinito quanto seu amor é o seu poder para fazê-lo.

Deus Opera no Homem

Mas voltemos à questão da rendição incondicional, e vejamos que é isso que falta na igreja de Cristo. Eis por que o Santo Espírito não pode nos encher, e por que não podemos viver como pessoas totalmente separadas para o Espírito Santo. Eis por que a carne e o egoísmo não podem ser vencidos. Nós nunca compreendemos o que significa entregar-se inteiramente a Deus, como Jesus fez.

Eu sei que muitos, honesta e sinceramente, dizem: “Amém, aceito a mensagem de entregar-me inteiramente a Deus”. Mas mesmo assim pensarão: “Será que serei assim? Posso contar com Deus para tornar-me alguém de quem se possa dizer, no céu, na terra e no inferno, que vive em absoluta submissão a Deus?” Meu irmão, minha irmã, “as coisas que são impossíveis ao homem são possíveis a Deus”.

Creia que quando ele se encarregar de você em Cristo, poderá transformá-lo em alguém totalmente rendido a ele. E Deus pode manter isso. Ele tem poderes para fazê-lo levantar da cama a cada dia da semana com este pensamento abençoado: “Estou entregue a Deus. Ele está cuidando de minha vida.”

Alguns estão cansados de pensar em santificação. Você ora, suspira e clama por isso e, mesmo assim, parece tão distante. Você tem plena consciência de quão longe está da santidade e da humildade de Jesus. Caros amigos, a única doutrina de santificação que está na Escritura e é real e efetiva é: “As coisas que são impossíveis ao homem são possíveis a Deus”. Deus pode santificar os homens. Por seu poder infinito e santificante, Deus pode guardá-los todo o tempo. Oh, que possamos aproximar-nos ainda mais do nosso Deus agora! Oh, que a luz de Deus possa brilhar, e que possamos conhecer melhor o nosso Deus!

Poderia continuar falando da vida de Cristo em nós – vivendo como Cristo, tendo-o como aquele que nos salvou do pecado e como nossa vida e força. É Deus no céu quem pode revelar-lhe isso. Que quer dizer essa oração de Paulo “para que, segundo as riquezas de sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito no homem interior”? (Ef 3.16). Não vê que é um Deus onipotente que trabalha por sua onipotência no coração de seus filhos crentes, de tal forma que Cristo possa fazer neles morada como Salvador? Você tentou absorver isso, compreender isso e crer nisso, porém não aconteceu. Porque você não conseguiu acreditar que “as coisas que são impossíveis ao homem são possíveis a Deus”.

Nosso coração precisa ser cheio da vida que vem do alto – da fonte do amor interminável – para que flua o tempo inteiro. É até natural que amemos nosso semelhante, assim como é natural a ovelha ser mansa e o lobo ser cruel. Este é o estado em que quanto mais uma pessoa me odeia e me insulta, quanto mais se torna impossível amá-la, mais eu a amo; em que quanto maiores forem os obstáculos, quanto mais me cercarem o ódio e a ingratidão, mais o amor triunfa em mim. Enquanto eu não chegar lá, não direi “é impossível ao homem”. Mas se você for levado a dizer “Essa mensagem fala de um amor totalmente além de minha capacidade. É totalmente impossível.” Então poderemos ir a Deus e dizer “A ti é possível”.

Muitos clamam por um grande reavivamento. Esta é a oração de meu coração: “Oh, que Deus renove seu povo!” Não posso pensar nos formalistas descrentes da igreja, ou nos infiéis e nos céticos, ou em todos que caminham para a perdição à minha volta, sem sentir meu coração clamando: “Senhor, reaviva tua igreja e teu povo!” Não é por irracionalidade que tantos corações anelam a santidade e a consagração. É um precursor do poder de Deus. Deus opera para implantar o seu querer e, depois, trabalha para realizar seu efetuar. Esses anseios são o testemunho e a prova de que Deus operou em nós o seu querer. Oh, vamos crer que o Todo-Poderoso operará no meio de seu povo mais do que podemos pedir: “Àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós... ” (Ef 3.20,21). Deixemos que nossos corações dêem glória a Deus, o Todo-Poderoso, que faz muito além do que ousamos pedir ou pensar.

As coisas impossíveis ao homem são possíveis a Deus. Você vive em um mundo de pecado e sofrimento, que jaz no maligno. Mas lembre-se: Cristo está no trono; Cristo é o mais forte; Cristo já venceu; e Cristo vencerá. Mas espere em Deus. As palavras “as coisas impossíveis ao homem” trazem desânimo; mas logo em seguida, as palavras “são possíveis a Deus” nos levantam. Fique ligado em Deus. Adore-o e confie nele como Todo-Poderoso, não somente em favor de sua vida, mas em favor de todos os que estão sob sua influência. Nunca ore sem adorar sua onipotência, dizendo: “Poderoso Deus, eu clamo tua onipotência” e a resposta  à sua prece virá. Como Abraão, você terá sua fé fortalecida, dando graças a Deus por contar com ele, que prometeu e está apto a cumprir.

Extraído de “Absolute Surrender” (Entrega Absoluta), de Andrew Murray (1828-1917), ministro, missionário e autor na África do Sul.

Fonte: O Arauto da Sua Vinda - Ano 23 nº 1 - Janeiro/Fevereiro 2005

4 comentários:

  1. Maravilha!!! material maravilhoso para nossa edificação.

    antoniaalves

    ResponderExcluir
  2. Alice Aparecida de Oliveira4 de fevereiro de 2012 18:36

    Estou feliz em ter encontrado este site.

    Esta leitura foi muito edificante para minha alma.

    Missionaria Alice

    ResponderExcluir
  3. Que mensagem de poder e libertação! Todo cristão que se sente fraco deveria ler!

    ResponderExcluir
  4. Aline, Acho que para todos nós! Aquele que cuida estar em pé, olhe para que não caia!

    ResponderExcluir

Irmão ou amigo, faça seu comentário. Alguns comentários podem ser apagados..... Você tem liberdade de escrever o que quiser, porém, sua liberdade está condicionada ao senhorio de Jesus Cristo, às Santas Escrituras e aos objetivos do blog.