Pesquise em mais de 1800 postagens!

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Kuwait - DIA 3 - Calendário de Oração

População: 2,505,559
Líder político: Primeiro Ministro Nasir al-Muhammad al-Ahmad al-Sabah
Religiões: 87.4% de islamismo, 8.2% de Cristãos, 2.5% de hinduismo, 1.9% outros
Posição no rank de perseguição: 39º
Número de grupos terroristas: 2
Ações de terrorismo: 45; Casualidades: 34
Percentual de corrupção: 52%
Percentual da população que vive na miséria: número não calculado

Fonte: win1040.org

História:

KUWAIT- País asiático, localizado no Golfo Pérsico, limitado ao norte e oeste pelo Iraque, a noroeste pelo Irã e ao sul pela Arábia Saudita. Seu nome deriva do diminutivo da palavra árabe ‘kut’, que significa ‘forte’ (fortaleza). Logo, kuwayt quer dizer ‘fortim’.
Em que pese sua característica geográfica absolutamente desértica, o Kuwait foi povoado desde a remota antiguidade. Foram encontrados resíduos arqueológicos que datam de cerca de 2500 a.C.
Entretanto, como emirado, foi criado durante a primeira metade do século XVIII, quando vários clãs migraram da região de Anaiza, vindo a se estabelecer no litoral do Golfo Pérsico. Com a miscigenação desses migrantes, formou-se a tribo conhecida como Bani Utub que, num segundo momento, migrou em direção ao atual Qatar e depois para o norte, atual Kwait. Lá já se encontrava a tribo Bani Khalid, que havia construído uma pequena fortaleza (que originou o nome do país).
Entre 1775 e 1779, a Cia. das Índias Ocidentais britânica fincou uma base na região. À época, os ingleses se interessavam por toda a região do Golfo Pérsico, uma vez que alemães visavam construir uma estrada de ferro ligando Berlim até Bagdá, passando pelo Kwait. Por isso, o território do Kuwait se revelou como uma área estratégica inglesa frente aos sinais da expansão alemã.
Em 1913, a Inglaterra assinou um acordo com os otomanos, onde ficou estabelecido que o Kuwait ficaria como uma casa autônoma do Império Otomano. Após a Primeira Guerra Mundial, o Império Otomano caiu e os britânicos anularam o tratado anglo-otomano, declarando o Kuwait um Estado independente, sob proteção britânica. Em 19 de abril de 1923, o governo britânico reconheceu os novos limites entre o Iraque e o Kuwait, ampliando o território kuwaitiano. Esta decisão limitou o acesso iraquiano ao Golfo Pérsico a apenas 58 km, de áreas predominantemente pantanosas.
Nos anos 80, o Kuwait, temendo as conseqüências da revolução iraniana, apoiou o Iraque, na guerra Irã-Iraque, lhe enviando grandes somas de dinheiro. Em conseqüência disso, o Irã atacou os depósitos de petróleo do Kuwait, e este foi forçado a buscar a proteção dos Estados Unidos, que enviaram navios de guerra ao Golfo.
Após ser aliado do Iraque durante a guerra Irã-Iraque (pela maior parte devido a desejar a proteção iraquiana do Irã islâmico xiita), o Kuwait foi invadido e anexado pelo Iraque (por ordens de Saddam Hussein) em agosto 1990. Embora inicialmente ambíguo sobre uma potencial anexação do Kuwait pelo Iraque, o governo dos EUA condenou as ações de Saddam Hussein e iniciou uma mobilização para a retirada das forças iraquianas. Após várias semanas de bombardeios aéreos, tropas internacionais lideradas pelos EUA iniciaram um ataque por terra, que expulsou o exército do Iraque do território do Kuwait. Neste ano, o emirado gastou mais de cinco bilhões de dólares no reparo da infra-estrutura petrolífera, avariada durante 1990-1991. Em 2003, este país serviu como a principal base temporária para as forças de coalizão na invasão do Iraque, mais uma vez lideradas pelos Estados Unidos. Foi a única nação árabe a, publicamente, apoiar a invasão do Iraque desde o início. Atualmente, é governado pelo emir Sabah IV e pelo primeiro-ministro Nasir al-Muhammad al-Amad al-Sabah.
Fonte: IBGE

Você precisa conhecer os outros países da Janela 10 x 40!

Você precisa aplicar em sua igreja slides sobre a Janela 10 x 40 (powerpoint!)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão ou amigo, faça seu comentário. Alguns comentários podem ser apagados..... Você tem liberdade de escrever o que quiser, porém, sua liberdade está condicionada ao senhorio de Jesus Cristo, às Santas Escrituras e aos objetivos do blog.