Pesquise em mais de 1800 postagens!

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Para começar a amar Missões – aula 4


Acompanhe a quarta lição do curso básico de introdução à Missiologia, ou como prefiro: "Para começar a amar Missões"

INTRODUÇÃO À MISSIOLOGIA - NÍVEL BÁSICO - Prof° Gilson de Moura
Blog Missões e Adoração – http://www.missoeseadoracao.net/
AULA 4 – 3 Mitos sobre Missões

Vimos na lição 1, que Deus quis reconciliar o mundo consigo mesmo através de Cristo. Missões é fazer a propaganda da Reconciliação! Para Deus reconciliar o Mundo consigo mesmo, Ele se manifestou a nós.

Na lição 2, vimos como Deus se revelou ao homem e como o diabo deturpou esta revelação. Missões é fazer a propaganda da correta revelação de Deus!

Já na lição 3, vimos as origens do Evangelismo. Quem foi o primeiro a evangelizar alguém, quem foi o primeiro evangelizado, etc. Surpresa na conexão de Gênesis 12 e Gálatas 3!

Nesta lição, quebraremos alguns mitos. Ideias que todos pensam estar na Bíblia, mas que na verdade, não estão. Algumas delas você até já ouviu em pregações, ou até mesmo já pregou sobre elas, mas, estão equivocadas. O equívoco pode aparecer na teologia, na exegese, na hermenêutica etc. Eu mesmo já ensinei estes Mitos. Perdão Senhor!

1) Expansão da Fé
O Mito: Devemos ganhar nossa cidade para Jesus para depois continuar em outros territórios conforme Atos 1:8.
A Verdade: Atos 1:8 não é um “check list”, uma sugestão de logística! A expansão da fé não é sequencial!

Já nos referimos a isso na primeira lição. Muitos pensam que Atos 1:8 indica um modo de trabalho, ou uma estratégia para a expansão da Fé. Que este trabalho deve começar em Jerusalém, depois na Judéia. Depois em Samaria. E então, depois de tudo, nos confins da Terra.

Vimos que não foi assim que ocorreu. Enquanto os apóstolos permaneceram e Jerusalém, os cristãos avançaram por todos os lados pregando o Evangelho a todos em todos os lugares que passaram. Os soldados, escravos, comerciantes iam e vinham por todo o Império Romano testemunhando. Igrejas foram fundadas sem a participação efetiva dos apóstolos: Damasco, Antioquia, Roma, etc.

A expansão da Fé ocorre através de uma força centrífuga! Tudo junto ao mesmo tempo!


2) Conquista de Territórios 
O Mito: É muito comum ouvir pregadores afirmando que devemos conquistar esta ou aquela cidade para Jesus, que esta ou aquela nação deve ouvir o Evangelho.
A Verdade: Não estamos a fim de territórios. A ordem de Jesus distribuída no VT e no NT indica a conquista de almas, pessoas e não de territórios!

Vamos entender a diferença entre Territórios e Almas! A moderna teologia da Batalha Espiritual indica que cada território possui um demônio específico. O território é chamado de Principado, o demônio é chamado de Príncipe. A base bíblica para isto começa em Daniel 10.
VS. 20 e 21 – “E disse: Sabes porque eu vim a ti? Eu tornarei a pelejar contra o príncipe dos persas; e, saindo eu, eis que virá o príncipe da Grécia. Mas eu te declararei o que está expresso na escritura da verdade; e ninguém há que esteja ao meu lado contra aqueles, a não ser Miguel, vosso príncipe”.

Miguel é o príncipe de Israel, a Pérsia tem um príncipe, a Grécia outro. São anjos (no caso Miguel) que são antigos, os primeiros da criação, ou os principais, onde Deus os distribuiu no mundo para governarem territórios. O diabo, com a legitimação dada por Adão e Eva ao se rebelarem com Deus, também distribuiu seus demônios nestes mesmos territórios. Isto nós lemos em Deuteronômio 32:8:

RA – “Quando o Altíssimo distribuía as heranças às nações, quando separava os filhos dos homens uns dos outros, fixou os limites dos povos, segundo o número dos filhos de Israel”.
NTLH – “Quando o Altíssimo separou os povos e deu a cada povo as suas terras, ele marcou as fronteiras das nações, dando a cada uma o seu próprio deus”.
NVI – afirma no rodapé que os papiros do Mar Morto substituem “filhos de Israel” por “filhos de Deus”.
LXX – a Septuaginta (versão grega do AT) traz “anjos de Deus”.

Associado a isto, nós lemos em Efésios 6:12 - “porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes”. Este texto demonstra que há certa hierarquia entre os demônios.

Esta hierarquia é confirmada em Apocalipse 9:11 onde lemos que o exército de gafanhotos tem um líder: “e tinham sobre eles, como seu rei, o anjo do abismo, cujo nome em hebraico é Abadom, e em grego, Apoliom”. Isto é muito interessante, pois Provérbios 30:27 afirma que os gafanhotos não tem rei! – “os gafanhotos não têm rei; contudo, marcham todos em bandos;”. Portanto, os gafanhotos de Apocalipse não são os mesmos gafanhotos de Provérbios! São demônios e tem um líder que não é satanás.

Concluindo: Cada nação/território tem um demônio que o governa. Ao evangelizarmos, conquistamos pessoas! Almas! Não pretendemos ganhar territórios, pois, esta Terra jaz no maligno, nosso Deus criará outra Terra! Ali, nós teremos 100% do território para Jesus, nosso Rei!

Uma ilustração para você entender melhor: Durante a Copa do Mundo vemos colônias de brasileiros em outros países e colônias de outros países no Brasil. Por exemplo: espanhóis vivendo no nordeste brasileiro, brasileiros no Japão, etc. O principado cuidará do seu território, não das almas que vão. Ou que vem! Vamos ganhar Almas, deixem o território para o principado. É dele, ele tem a escritura. Nós queremos ganhar almas, pois somos forasteiros aqui!

3) “Estar preparado” 
O Mito: Muitos afirmam que o crente tem que estar preparado para testemunhar do Evangelho. Esta preparação se dá através de uma vida de santidade (não ter brechas), ou de estratégias (4 Leis espirituais, etc.).
A Verdade: O que nos capacita a testemunhar de Jesus é o poder do Espírito Santo, conforme lemos em Atos 1:8 – “...recebereis poder ... e sereis minhas testemunhas...”.

As Estratégias: evidentemente que estratégias de evangelismo são bem vindas! São importantíssimas, na verdade! O Filme Jesus, as 4 Leis Espirituais são excelentes exemplos. Porém, não podemos ficar escravos das estratégias! Elas são o que são, estratégias, nada mais, nada menos! A Palavra é mais importante que a estratégia!

A ‘Santificação’: Jesus mandou sermos testemunhas. Mandou testemunhar inicialmente. Não precisamos temer retaliação das trevas por testemunhar! O processo de libertação e de discipulado ocorre após o processo de Testemunho! A função dos Crentes: Testemunhar primeiro, libertar e discipular depois. Nem todos os crentes em Cristo podem efetuar o processo de libertação ou de discipulado, são dons espirituais que o Espírito Santo dá a alguns crentes. Estes vão trabalhar nestas áreas. Mas testemunhar não! Testemunhar não é dom espiritual, é ordenança, é mandamento, para todos os crentes! Todos devem testemunhar! Todos podem testemunhar! Vamos liberar todos para Testemunhar, ganhar almas! Discipulado e libertação ficam para os que receberam estes dons (os pastores, por exemplo). Foi assim que Felipe, o diácono, fez em Samaria. Ganhou o povo primeiro e chamou o apóstolo Pedro para confirmá-los!

Na próxima aula você conhecerá o panorama mundial das missões.

2 comentários:

  1. Meu amado Prof. Gilson, seria de imensa valia transformar este Curso num e-book, a ser disponibilizado para os muitos interessados na obra missionária, mas que tem tanta dificuldade em encontrar informações. Como o senhor, recebo muitos e-mails de pessoas vocacionadas, mas sem apoio e sem o básico de informações para iniciar sua capaitação.

    Conte comigo na divulgação e apoio!

    Avante, por Cristo!

    Um abraço do Sammis

    ResponderExcluir
  2. Olá Sammis

    A ideia é esta mesmo!

    Vou elaborar mais algumas aulas e vou publicar e disponibilizar gratuitamente na Internet.

    Gilson

    ResponderExcluir

Irmão ou amigo, faça seu comentário. Alguns comentários podem ser apagados..... Você tem liberdade de escrever o que quiser, porém, sua liberdade está condicionada ao senhorio de Jesus Cristo, às Santas Escrituras e aos objetivos do blog.