Pesquise em mais de 1800 postagens!

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Biografia Ilustrada do Conde Zinzendorf

Figura 1 - Conde Zinzendorf
(fonte: livro de Ruth Tucker)
Tradução das páginas 100 a 104 do Livro “From Jerusalem to Irian Jaya: a biographical history of Christian missions” de Ruth Tucker, Editora Zondervan, 2004. Com adaptações.

1) Introdução
O Conde Zinzendorf foi um dos líderes missionários mais influentes do movimento protestante missionário moderno. Ele foi pioneiro no evangelismo ecumênico, fundou a Igreja Morávia, e autor de dezenas de hinos, mas acima de tudo, ele lançou um movimento missionário mundial que definiu o cenário para William Carey e o "Grande Século" de missões que se seguiu. No entanto, em muitos aspectos, ele não tinha habilidades de liderança, e o poderoso movimento ao qual ele dedicou sua vida mais de uma vez quase entrou em colapso devido à falta de planejamento e decisões equivocadas.

2) Origens
Figura 2 - August Hermann Francke
(Fonte: Enciclopédia Britânica) 
Zinzendorf nasceu no ano 1700 em riqueza e nobreza. A morte de seu pai e o casamento subseqüente de sua mãe o fez ser criado pela avó e tia, cujo fervor pietista evangélico marcou seu coração para as questões espirituais. Seu ensino inicial foi reforçado por uma educação formal. Na idade de dez anos, ele foi enviado para estudar em Halle, onde se aprofundou no âmbito do ensino inspirador do grande luterano pietista August Hermann Francke. Na Universidade de Halle, Zinzendorf se uniu com outros jovens dedicados, e dessa associação surgiu a "Ordem do Grão de Mostarda", uma fraternidade cristã comprometida com amor por "toda a família humana" e para difundir o evangelho.









3) Seu chamado
De Halle, Zinzendorf foi para Wittenberg para estudar Direito, em preparação para uma carreira no serviço público, a única aceitável para um nobre. Mas ele estava infeliz com suas perspectivas para o futuro. Ele desejava entrar no ministério cristão, mas quebrar a tradição da família seria impensável. A decisão pesou muito em sua mente até 1719, quando um incidente durante uma turnê pela Europa mudou o curso da sua vida. Ao visitar uma galeria de arte, ele viu uma pintura (Homo Ecce de Domenico Feti) que mostra Cristo suportando a coroa de espinhos, com uma inscrição que dizia: "Tudo isso eu fiz por você, o que você está fazendo por mim?" Essa experiência teve um profundo impacto não só sobre a sua vocação futura, mas também em sua formação teológica e espiritual.

Figura 3 - Homo Ecce de Domenico Feti
 (fonte site www.zinzendorf.com) 

4) Herrnhut Um ponto de virada na chamada de Zinzendorf ao ministério veio em 1722 quando alguns refugiados protestantes buscaram abrigo em sua propriedade em Berthelsdorf, mais tarde nomeada Herrnhut, que significa "sob as vistas do Senhor". Ele convidou os refugiados a se estabelecer na terra, e Herrnhut cresceu rapidamente. Os refugiados religiosos continuaram a chegar, e a propriedade tornou-se uma próspera comunidade com casas recém-construídas e lojas. Mas com o crescente número vieram também problemas. As diversas origens religiosas dos moradores geraram discórdia e em mais de uma ocasião a existência de Herrnhut esteve em perigo.
 Figura 4 - Vista de Herrnhut (fonte: site www.ebu.de)
5) O Avivamento
Então, em 1727, cinco anos após os primeiros refugiados chegarem, toda a atmosfera mudou. Um período de renovação espiritual foi o clímax de uma reunião de comunhão em 13 de agosto com um grande avivamento, que, segundo os participantes, marcou a vinda do Espírito Santo para Herrnhut. O que quer que possa ter ocorrido na esfera espiritual, não há dúvida de que esta noite de avivamento trouxe uma nova paixão para as missões, que se tornou a principal característica do movimento da Morávia. Havia um senso de unidade e de dependência de Deus. Neste momento uma vigília de oração foi iniciada, que continuou sete dias por semana, sem interrupção por mais de cem anos.

6) Missões Morávias
Figura 5 - Hans Egede,
o apóstolo da Groenlândia
(fonte: Wikipedia)

 O envolvimento direto em missões estrangeiras não veio até alguns anos após esse despertar espiritual. Zinzendorf foi assistir a coroação do rei dinamarquês Cristiano VI, e durante as festividades foi apresentado a dois nativos da Groenlândia (convertidos pelo trabalho de Hans Egede, o apóstolo da Groenlândia) e um escravo Africano das Índias Ocidentais. Tão impressionado que ficou, convidou-os a visitar Herrnhut, e ele voltou para casa com um senso de urgência para o evangelismo mundial. Dentro de um ano os dois primeiros missionários da Morávia foram enviados para as Ilhas Virgens, e nas duas décadas que se seguiram os morávios enviaram mais missionários do que todos os protestantes tinham enviado nos últimos dois séculos.






7) Suas viagens missionárias
Figura 6 - Igreja Morávia ao redor do Mundo (fonte: livro de Ruth Tucker) 
Em 1738, alguns anos após os primeiros missionários chegarem ao Caribe, Zinzendorf acompanhou três novos recrutas que foram se juntar aos seus colegas. Mas quando eles chegaram ao seu destino, eles ficaram sabendo que os seus colegas haviam sido presos. Zinzendorf assumiu rapidamente o caso e, usando seu prestígio e autoridade como um nobre, procurou garantir a libertação deles. Durante a visita realizou serviços diários para os africanos e melhorou a estrutura organizacional e atribuições territoriais para os missionários. Ciente de que o trabalho da missão estava em uma base sólida, ele retornou para a Europa. Dois anos mais tarde, ele partiu para as colônias americanas, onde observou o trabalho missionário com os índios nativos. Embora Zinzendorf tenha renunciado a sua vida como um nobre, ele nunca foi capaz de suprimir o seu gosto pela boa vida, e ele achou difícil abaixar-se à vida de um missionário “construtor de tendas”. Ele não escondeu seu descontentamento com a vida no deserto e com a labuta do dia-a-dia do trabalho missionário. Ele viu os nativos americanos como incivilizados e brutos, e ele se ressentia da invasão de sua privacidade. No entanto, sua incapacidade de se relacionar com eles ou até mesmo chegar junto com eles não escureceu o seu entusiasmo em evangelizá-los. Antes de deixar a América nomeou vinte missionários para a obra missionária indígena.

8) O perfil dos missionários morávios
Como estadista missionário, Zinzendorf passou trinta e três anos como supervisor de uma rede mundial de missionários que o considerava um líder. Seus métodos eram simples e práticos e que resistiram ao teste do tempo. Todos os seus missionários leigos foram treinados como evangelistas, e não como teólogos. Como artesãos auto-sustentáveis que trabalhavam ao lado de seus convertidos, testemunhando a sua fé pela palavra falada e pelo seu exemplo de vida - sempre buscando identificar-se como iguais e não como superiores. Sua tarefa era apenas evangelismo, evitando qualquer envolvimento nos assuntos locais, sejam políticos ou econômicos. Sua mensagem era o amor de Cristo - a mensagem simples do Evangelho - com o desrespeito intencional de verdades doutrinárias até depois da conversão, e, mesmo assim, um misticismo emocional tomou precedência sobre o ensino teológico. Acima de tudo, os missionários da Morávia foram sinceros e tinham o ministério em primeiro plano. As esposas e familiares foram abandonados por causa da evangelização. Os jovens foram incentivados a permanecerem solteiros, e quando foi permitido o casamento, o cônjuge era muitas vezes escolhido por sorteio.

 9) Sua família
Figura 7 - Erdmuth Zinzendorf - 1ª esposa
 (fonte: livro de Ruth Tucker)
O principal exemplo do ministério de solteiros foi o próprio Zinzendorf. Sua esposa e filhos eram freqüentemente deixados para trás, enquanto viajava pela Europa e pelo mundo, e seu exílio de mais de uma década de sua terra natal ainda mais complicava sua vida familiar. Enquanto ele estava fora, seus negócios e problemas jurídicos foram conduzidos sabiamente por sua mulher, Erdmuth. Mas ele foi menos hábil em manter seu casamento intacto. Não era nenhum segredo que ele e Erdmuth estavam com as relações frias e que nos últimos quinze anos da vida de sua esposa foi um casamento apenas no nome. No entanto, sua morte foi uma época difícil para Zinzendorf. De acordo com John Weinlick, “a tristeza foi agravada pelo remorso”. Ele não tinha sido justo com Erdmuth. Ele não tinha sido infiel durante o seu longo período de separação, mas ele tinha sido muito descuidado. Tinha esquecido que “ela era uma mulher, esposa e mãe”.
Figura 8 - Anna Nitschmann - 2ª esposa
(fonte site www.zinzendorf. com) 
 Depois de um ano de luto, casou-se com Anna Nitschmann Zinzendorf, uma camponesa que, juntamente com os outros, tinha sido sua companheira de viagens há muitos anos. O casamento foi mantido em segredo por mais de um ano, em parte para evitar uma controvérsia com a sua família por se casar com uma mulher abaixo de seu nível social. Anna teve uma forte influência ideológica sobre Zinzendorf, particularmente na área do misticismo, e este fenômeno levou graves problemas para a missão.

10) O problema do Misticismo
Sob a liderança do conde, a Igreja Morávia havia colocado grande ênfase sobre a morte de Cristo. Desde criança Zinzendorf tinha sido influenciado sobre a morte e a agonia do Senhor, e seu chamado para o ministério tinha sido influenciado por uma pintura retratando a agonia de Cristo. Com o tempo, o que tinha sido uma ênfase se transformou em uma obsessão, toda a igreja parece ter sido levada a uma forma radical de misticismo. Através de seu exemplo, os Morávios começaram a denegrir sua própria imagem meditando morbidamente sobre a morte de Cristo. Em uma carta circular às igrejas, Anna (anos antes dela casar-se com Zinzendorf) havia escrito: “Como um verme pobre e pequeno, desejo retirar-me em suas feridas”, e Zinzendorf falava aos irmãos como “vermes de sangue no mar de graça”. Uma "Ordem dos Pequenos Tolos" foi formada, e ele encorajou os membros a se comportar como crianças e pensar em si mesmos como “peixes pequenos em um leito de sangue” ou “pequenas abelhas que sugam as chagas de Cristo”. Este misticismo teve um impacto negativo sobre as missões.
O mais místico e introspectivo dos Morávios era aquele que tomava em si a identificação com o sofrimento físico de Cristo. Cada vez menos eles se concentraram na evangelização do mundo e nas necessidades dos outros. Missionários ativos eram por vezes desacreditados porque ainda não haviam atingido os místicos “altos níveis de espiritualidade” que a nova obsessão exigia e a causa das missões, portanto, sofreu demais.

11) A solução
Essa série de acontecimentos poderia ter trazido um fim rápido para a missão, mas Conde Zinzendorf reconheceu o problema antes que o pior ocorresse. Admitindo que a condição da igreja estava “muito degenerada”, e que ele próprio tinha “provavelmente ocasionado isso”, Zinzendorf foi capaz de colocar um fim nesse “breve, mas temeroso período” e orientar seus seguidores de volta ao curso novamente.

12) Outros problemas
No entanto, outros problemas vieram rapidamente à superfície. Em 1750 a Igreja Morávia estava profundamente endividada devido à falta de Zinzendorf na gestão financeira. “Em sua expansão”, escreve J.C.S. Mason, “compra de terras, seus grandes edifícios e outras iniciativas ... foi financiado principalmente através de empréstimos". Na Grã-Bretanha e no continente, houve uma avalanche "de livros e panfletos", cujo efeito era deixar o movimento “quase em ruínas”. A teologia mística dos anos anteriores não foi esquecida pelos críticos do movimento agora falido. “Herrnhutismo”, escreveu Henry Rimius, “tem aviltado o cristianismo, ligando com ele os absurdos mais detestáveis, e manifesta as doutrinas que grosseiramente tem corrompido”. Tais zombarias não desaparecem rapidamente. Já em 1808 o folheto Christian Observer lembrou aos leitores que “...os Morávios, como o Anabatistas em um período anterior, exibiram mais recentemente, exibiu uma licenciosidade prática deplorável”.

13) Conclusão
Apesar de suas falhas e erros, e sua reputação manchada Zinzendorf deixou um legado que continuou por muito tempo após sua morte. Na verdade, a sua contribuição para as missões é talvez o mais visto na vida dos homens e mulheres que deixaram para trás a família ea sua pátria para a causa de missões mundiais.

Fonte: “From Jerusalem to Irian Jaya: a biographical history of Christian missions” de Ruth Tucker, Editora Zondervan, 2004, páginas 100 a 104. 

2 comentários:

  1. Muito linda a história deste nobre homem de oração, sua devoção nos inspira e nos leva a querer mais de Deus!!!

    ResponderExcluir
  2. não gostei como Ruth Tucker, apresentou a história, depreciando-a. Existem outras fontes fidedignas.

    ResponderExcluir

Irmão ou amigo, faça seu comentário. Alguns comentários podem ser apagados..... Você tem liberdade de escrever o que quiser, porém, sua liberdade está condicionada ao senhorio de Jesus Cristo, às Santas Escrituras e aos objetivos do blog.