Pesquise em mais de 1800 postagens!

sábado, 24 de abril de 2010

Diz-que-diz - espírito de fofoca na Igreja

Neste mês de abril resgatarei alguns estudos para células que fiz para a minha ex-igreja nos idos de 2004-2006. São estudos comentados ou apenas esboçados que fiz para auxiliar os demais líderes de células, para que eles dessem alimento sólido em suas células.

Aproveitem e não deixem de comentar!

Texto base: Efésios 4:25-32

Introdução: Vemos muitas vezes a fofoca ao nosso derredor. Na escola, no trabalho, na vizinhança etc. Fofoca é um mexerico, uma intriga. É um diz-que-diz. É falar algo sem a completa certeza se aquilo é realidade ou não. É quando alguém pega uma parte da verdade e dá ênfase nela e/ou a deturpa, inventando ou não sobre o assunto. Pode-se fofocar conscientemente ou inconscientemente. De qualquer forma, quando a pessoa tem uma propensão a falar demais, espalhando notícias, esparramando apenas sua versão sobre o assunto, quando isso acontece, percebemos claramente a ação do maligno. Ação de espíritos imundos que semeiam a confusão entre as pessoas. Infelizmente alguns crentes estão nesta situação.

Atualização: Alguns crentes podem até cantar a música do Zaqueu em paródia:
Ao invés de cantar:
"Entra na minha casa, cuida da minha vida"
Cantam:
"Entra na tua casa, cuida da tua vida"
Ou então:

"Eu entro na tua casa, cuido da tua vida!"


1) vs. 25: muitos ainda se apegam à mentira. Mentem muito. Mentem conscientemente. Por exemplo, dar um endereço de outro local como sua residência para obter alguma vantagem (hospital, creche, etc.) é mentira. A Palavra de Deus manda “...falar a verdade com o próximo”, quem é meu próximo? Aquela pessoa que está ao meu redor, onde quer que eu esteja. Alguns não falam a verdade. Ter dificuldades de falar a verdade é uma característica da pessoa que sofre a ação desses espíritos. Veja Cl. 3:9

2) vs. 26: mesmo que nosso irmão nos faça ficar irados, não devemos pecar! Entenda. Irar-se não é pecado, mas, dependendo o que eu for fazer com minha ira, caracteriza-se como pecado ou não. Não peco se eu conversar com o irmão e resolver tudo (“...não se ponha o sol sobre vossa ira”). Contudo, se eu não resolver, ou se eu aproveitar-me disso para tirar algum benefício, então eu estarei pecando.

3) vs. 27: Dar lugar ao diabo é aceitar a sugestão dele. Por exemplo: duas pessoas estão olhando para uma certa pessoa. Olhando e conversando. A pessoa observada recebe setas do maligno que podem levá-la a pensar: “estão falando de mim”, ou “só falta apontar o dedo, olha só como fofocam”. Aceitar estes pensamentos como sendo seus é dar lugar ao diabo. As duas pessoas que estavam conversando poderiam estar declarando bênçãos sobre aquela pessoa. Se realmente for necessário, não é melhor ir até lá perguntar (com amor) qual é o assunto?

4) Vs. 28:Aquele que fofocava, não fofoque mais”. Peça perdão a Deus e mude de vida. Somos templo do Espírito Santo, não podemos entristecê-lo. Fofocar é roubar ou furtar a verdade do irmão.

5) vs. 29: palavra torpe é palavra imoral, obscena, vergonhosa, vil. Nada disso pode sair da nossa boca. Reflita sobre sua vida espiritual: o que está saindo da sua boca? Eu edifico as pessoas com o que eu falo ou semeio o veneno nelas? As pessoas gostam de conversar comigo ou gostam de falar mal dos outros comigo? Quando fico em uma rodinha, falo e ouço bênçãos ou só “as verdades sobre a vida dos outros” ou ainda, só a “nossa opinião sobre as coisas dos outros”?

6) vs. 30: pergunte ao Espírito Santo: “Senhor, eu estou te entristecendo?”; “o Senhor está alegre comigo?”. Entristecer o Espírito Santo é atrasar as melhores bênçãos para a minha vida.

7) vs. 31: Eu entristeço o Espírito Santo quando sai da minha boca palavras de:
a. amargura (palavras amargas, conto só os problemas);
b. ira (fico irado facilmente, qualquer coisa me leva a irar-se);
c. cólera (minha ira transforma-se em raiva);
d. gritaria (grito com meus familiares, amigos, colegas de escola ou de trabalho);
e. blasfêmia (ainda sai da minha boca palavrões);
f. malícia (sai da minha boca palavras lascivas).

8) vs. 32: tenho que obedecer a Palavra de Deus:
a. benigno (tenho que pensar bem de meu irmão. Ele é inocente antes que se prove o contrário);
b. misericordioso (tenho que entender a dor do meu irmão, sofrer com ele, alegrar-se com ele);
c. perdoador (como receberei o perdão de Deus se eu não perdoar as pessoas?).

Conclusão: fofocar é aborrecer a Deus (Zc. 8:16 e 17). Reflita sobre sua vida e ministre sobre seus discípulos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão ou amigo, faça seu comentário. Alguns comentários podem ser apagados..... Você tem liberdade de escrever o que quiser, porém, sua liberdade está condicionada ao senhorio de Jesus Cristo, às Santas Escrituras e aos objetivos do blog.