Pesquise em mais de 1800 postagens!

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Tendo Um Encontro Com Deus - Henry Blackaby





O texto a seguir foi editado a partir de uma mensagem ministrada na Conferência de Oração organizada por “Harvest Prayer Ministries”, em outubro de 2006 na Maryland Community Church (Igreja da Comunidade de Maryland) em Terre Haute, Indiana, EUA.


Artigos de Henry Blackaby:
Avivamento Coletivo:A Necessidade - Henry Blackaby
Avivamento Coletivo: Como Acontece - Henry Blackaby
Pré-Requisitos Para o Avivamento - Henry Blackaby
Por Que Tarda o Avivamento? - Henry Blackaby
Tendo Um Encontro Com Deus - Henry Blackaby
Com Cristo na Batalha de Oração - Henry Blackaby


Quando estamos na presença de Deus, mudanças radicais acontecem na nossa vida. As Escrituras mostram que quase todos aqueles que tiveram um encontro com Deus foram imediata e permanentemente transformados. Apesar disso, de algum modo temos dificuldades para entender que é esse mesmo Deus das Escrituras que se encontra conosco hoje. Nosso primeiro e principal objetivo em ir à casa de Deus deveria ser esse tipo de encontro divino. Podemos até afirmar que experimentamos a presença de Deus nas nossas reuniões, mas geralmente não há qualquer transformação interior que o comprove.

O momento do seu encontro com Deus é determinado por ele, não por você. Pode ser através de um texto nas Escrituras. De repente, o Espírito de Deus toma a Palavra e, usando-a como uma espada de dois gumes, penetra alma e espírito, juntas e medula, discernindo pensamentos e intenções do coração (Hb 4.12). Você fica totalmente exposto diante dele. Você sabe quando está se encontrando com Deus, porque ele comove cada partícula do seu ser. E ele sabe quando chega o momento oportuno, por isso seus encontros com você sempre acontecerão na “plenitude do tempo”, o tempo de Deus para sua vida.

 O Encontro de Isaías com Deus

No capítulo seis de Isaías, vemos um dos mais notáveis encontros entre Deus e um homem. Deus sabia exatamente onde estava o problema de Isaías, por isso preparou um encontro perfeitamente adequado à necessidade de mudança radical em sua vida. Isaías se viu diante da santidade de Deus. Falamos hoje sobre estar na presença da santidade de Deus, cantamos a respeito disso – no entanto não o experimentamos, de fato. Se tivéssemos a oportunidade de estar diante da santidade de Deus, garanto que reagiríamos como Isaías: “Ai de mim, estou perdido! Porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios” (Is 6.5).

A presença e a santidade de Deus sempre expõem aquela necessidade específica em sua vida que o impede de ter um encontro mais profundo com Deus. A resposta imediata de Deus para Isaías foi tratar com seu problema dos lábios. Algo precisava vir do altar de Deus, e isso transformou sua vida. Brasas vivas do altar tocaram seus lábios, e uma coisa espantosa aconteceu. Quando seus lábios foram purificados, os ouvidos foram abertos. Deus não tocou os ouvidos, somente os lábios. Era isso que o impedia de ouvir. Deus estava falando o tempo todo, mas pela primeira vez Isaías ouviu suas palavras: “A quem enviarei, e quem há de ir por nós?” Por causa do encontro e da mudança radical, houve uma resposta espontânea de Isaías: “Eis-me aqui, envia-me a mim” (v.8).

Esse tipo de encontro poderia acontecer na sua vida? Você acha que existem pessoas para as quais Deus anseia muito enviá-lo? Você não acha que as multidões de povos não-alcançados ao redor do mundo estão pesando no coração de Deus, a ponto de levá-lo a procurar por alguém que atenda ao seu apelo: “Quem há de ir por nós?”? Além de tudo isso, ainda pesa sobre ele a tarefa de retirar do nosso coração aquilo que nos impede de ouvir e responder à sua voz.

Talvez a plenitude do tempo de Deus para você seja agora. Talvez, durante semanas ou meses, tenha havido uma santa inquietude no seu coração, levando-o a dizer: “Com certeza Deus tem mais para a minha vida do que apenas participar de cultos e atividades religiosas. Com certeza há algo mais”. E Deus está lhe respondendo: “Realmente há mais – e sempre houve –, contudo você deixou que a cultura contemporânea o envolvesse em atividades religiosas, tirando-o do relacionamento íntimo comigo”. Talvez hoje seja o momento especial de Deus para você; talvez este seja o tempo do seu encontro com Deus!

A chave do encontro não estava com Isaías. A chave estava com o Deus de Isaías, exatamente como a chave não estava com Abraão e, sim, com o Deus de Abraão. O Deus que se encontrou com eles é o mesmo que está aqui para nos encontrar. Você está pronto? Está buscando uma mudança em sua vida como a que aconteceu a diversas pessoas nas Escrituras, trazendo-lhes a revelação do coração de Deus?

Como Devemos Orar?
Li, há algum tempo, sobre um jovem pastor chinês que foi sentenciado a três anos de prisão e uma multa enorme por ter publicado um dos livros que escrevi: “Experiências com Deus”. É evidente que pesou sobre mim o fato de a perseguição ter vindo sobre ele e outros irmãos por terem distribuído um dos meus livros.

 Pensei: “Como devo orar por esses irmãos na China? Que tipo de oração tenho feito até hoje?” O Senhor me mostrou, com certa severidade, que precisava haver uma mudança qualitativa na minha maneira de orar. Nossa maior necessidade não é de maior quantidade de orações, e, sim, de um relacionamento com Deus qualitativamente diferente. Você está pronto para Deus conduzi-lo a um novo tipo de relacionamento com ele na oração? Você gostaria de ser o tipo de pessoa que Deus chamaria para orar por causa do relacionamento de qualidade que tem com ele? Você sabia que a oração de uma pessoa assim pode trazer mudanças tremendas no país e no mundo todo? Considere seu andar pessoal com Deus e sua vida de oração; que mudanças precisam ser efetuadas a fim de que Deus possa operar profundamente através de você?

A Vida de Oração de Moisés

Veja comigo as orações feitas por Moisés, para entender o que está em jogo. O Deus que chamou Moisés para ficar na sua presença e ouvir o que estava no coração dele literalmente quebrou o coração de Moisés e o tocou de tal forma que ele ficou em oração diante do Senhor por quarenta dias e quarenta noites. O que ouvira de Deus foi tão significativo que não conseguiu comer nem beber nada durante quarenta dias, de tão angustiada que estava a sua alma. Moisés ficou entre o povo pecador e Deus, pleiteando por eles, chegando a pedir que Deus riscasse seu nome do livro da vida e os poupasse. De acordo com as Escrituras, as orações de Moisés mudaram o coração de Deus.

Quando foi a última vez em que, durante a oração, Deus veio e expôs o coração dele ao seu, causando-lhe profundo quebrantamento? Em Romanos 8.26, Paulo diz que uma de nossas fraquezas é que não sabemos como ou em favor do que devemos orar. Que provisão de Deus foi dada para nossa incapacidade na oração? Paulo diz que Deus concedeu o Espírito Santo para guiar-nos na oração, pois ele conhece a mente e o coração de Deus e sabe exatamente onde e como Deus está agindo.

Quando foi a última vez em que você caiu de joelhos e gritou: “Senhor, eu não sei orar como convém! Como devo pedir pelo meu Presidente? Como devo orar pelas próximas eleições? Nosso país está sendo destruído. Como, então, devo orar?” Se Deus revelasse ao seu coração como orar, você oraria com paixão e perseverança até que tivesse a certeza de uma resposta de Deus?
A nossa nação será transformada na mesma proporção em que tivermos disposição de orar dessa forma. Por outro lado, ela será transformada no sentido oposto se deixarmos de orar. Sua vida de oração e a minha, junto com a vida de oração coletiva das nossas igrejas, podem determinar o curso da história e, com certeza, fazer uma diferença decisiva na batalha contra as forças destrutivas que tanto enfraquecem a nossa nação.

A sociedade ocidental está sofrendo desmoronamento inacreditável na vida familiar, na ética nos altos escalões do poder e em outras maneiras antes inimagináveis, que agora se tornaram lugar comum. Onde está o povo de Deus que ora? A intenção de Deus é que a nação seja o resultado das orações do seu povo. Atualmente, como tenho observado em centenas de reuniões, a nação tem sido o resultado de orações casuais e descuidadas, feitas por pessoas que não acreditam mais que Deus possa impactar poderosamente seu país quando oram.

Moisés conhecia Deus o suficiente para saber que valeria a pena persistir em oração. Já havia aprendido o que pesava na mente e no coração de Deus. Veja o que ele disse em Deuteronômio 9.8: “Tanto provocastes o Senhor à ira...” O povo de Deus, aqueles que foram chamados para estar com Deus, para ter um relacionamento íntimo com ele, para conhecer a todo momento o que está no seu coração e na sua mente, esse povo tinha uma terrível tendência de se afastar dele. Perderam sua intimidade com Deus e o provocaram à ira. É isso que acontece quando um povo não mantém seu relacionamento íntimo com Deus, porque ele sabe das questões eternas que estão em jogo. Por isso Moisés disse: “...tanto provocastes à ira o Senhor, que a ira dele se acendeu contra vós para vos destruir”.

Mas não olhe agora para os israelitas. Olhe para o Deus dos israelitas. Se você é um líder espiritual de qualquer espécie – e se você é pai ou mãe, você já é líder –, lembre-se que o povo de Deus pode provocá-lo à ira a ponto de ele querer destruí-lo. Dentre todas as épocas da história, se houve alguma em que havia potencial para as nações serem destruídas por Deus, essa época seria agora! Só a poderosa mão de Deus pode evitá-lo.

Muitas pessoas me perguntam a respeito do fim dos tempos. Eu não sou um estudioso desses assuntos, mas sou um estudioso das Escrituras e sei que em Mateus 24 Jesus nos deu um sinal para indicar quando o fim dos tempos está se aproximando. Ele disse que haverá uma tribulação tal que se Deus não intervier ninguém sobreviverá. Depois ele acrescenta que por causa dos escolhidos, por amor ao seu povo, ele não permitirá que sejam destruídos.

Estamos vivendo numa época incomum, em que há justamente esse potencial de que Jesus falou. Há incontáveis terroristas dispostos a sacrificar suas vidas para tirar as vidas de outros. Os países têm o potencial de armas nucleares, armas biológicas e armas químicas, e, de tempos em tempos, ouvimos falar de uma nova substância tão letal que, se um dia fosse liberada, não haveria antídoto algum para neutralizá-la, o que desencadearia uma mortandade sem fim.

Deus disse a Moisés que estava tão zangado com o povo por causa do seu pecado que os destruiria a todos e começaria tudo de novo com Moisés. Se você estivesse no monte, e Deus lhe dissesse isso, o que você faria? É claro que dependeria do histórico da sua vida de oração. Até que ponto você conhece a Deus e até onde você conhece o convite de Deus para assumir uma posição entre ele e as pessoas, a fim de preservá-las?

Em Deuteronômio 9 e 10, Moisés descreve para o povo como entrou na presença de Deus e suplicou diante dele durante quarenta dias e quarenta noites – e isso por duas vezes. O Deus que disse que destruiria a todo o povo – diante da oração persistente, apaixonada e intensa de Moisés –, desviou-se daquele propósito e não o destruiu.

O Que Está Pesando no Coração de Deus?

Quando foi a última vez em que você sentiu que era importante descobrir o que estava no coração de Deus? O que está no coração de Deus em relação aos filhos que ele lhe deu? O que está no coração de Deus para a igreja à qual você pertence? Será que Deus decretaria o fim de uma igreja por causa dos seus pecados? Deus deixaria uma igreja morrer?

Jesus advertiu a igreja em Apocalipse 2: “Abandonaste o teu primeiro amor”. Ele estava dizendo às pessoas que elas não mais o amavam suficientemente para se reunir e orar. Os diáconos e anciãos não oravam mais, o pastor não orava com sua equipe, os líderes não se reuniam para buscar a Deus em oração intensa e conjunta. Por isso Deus lhes advertiu que se não se lembrassem da altura de onde caíram, se não se lembrassem de como se portavam anteriormente, se não se arrependessem e voltassem, o seu candeeiro seria removido. Deixariam de existir como igreja. Ele não permitiria que se chamassem filhos de Deus ou igreja de Deus sem ter uma vida de oração.

Recentemente, voltei ao texto de João 3.16 e recebi uma fortíssima percepção do coração de Deus de que é impossível entender esse versículo sem compreender o que Deus sente a respeito de uma palavra ali, a palavra “pereça”. O que Deus sabe sobre a pessoa que está partindo definitivamente para a eternidade sem ter seu relacionamento com ele restaurado através de Jesus Cristo? O que Deus sente sobre a pessoa que perece?

Há muitas ilustrações sobre isso nas Escrituras. Qualquer uma delas deveria nos impelir à oração. Uma descreve alguém indo para as trevas exteriores para todo o sempre, sem possibilidade de sair de lá. Outra fala de fogo e enxofre eternos. Ainda outra mostra um grande abismo entre o céu e o inferno, de modo que é impossível alguém passar de um para o outro.

Agora volte e leia João 3.16: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça mas tenha a vida eterna.” Você acha que o coração de Deus está preocupado com aquele que pode perecer? “Não querendo [o Senhor] que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento” (2 Pe 3.9). Como isso deveria motivar sua vida de oração? Como uma igreja, conhecendo o que Deus sente a respeito das pessoas que perecem, deveria mobilizar-se a fim de evitar que as pessoas pereçam?

Que Tipo de Pessoa Deus Vai Levantar?

Em 1 Samuel 2.35, Deus expressou seu anseio desta forma: “Suscitarei para mim um sacerdote fiel, que procederá segundo o que tenho no coração e na mente; edificar-lhe-ei uma casa estável, e andará ele diante do meu Ungido para sempre”. Deus está dizendo que vai levantar para si alguém que lhe será fiel, que procurará saber o que está em sua mente e coração e que, assim que souber, imediatamente o colocará em prática.

Deixe-me lhe perguntar: diante dessa definição de Deus, você é uma dessas pessoas que ele está levantando? Se não, por que não? Como podemos saber se Deus nos está levantando? O que significa ser levantado para ele, e como podemos saber quando Deus está colocando o seu coração sobre o nosso? Você tem notado que Deus está começando a empurrá-lo para um nível de oração nunca antes experimentado, e que nesse novo relacionamento ele deseja imprimir no seu coração o sentimento real do que está na mente e no coração dele nesses dias?

Estou convencido de que ninguém pode ter esse tipo de relacionamento com Deus e não orar por mudança. Moisés o fez. Quando soube o que estava no coração de Deus, ele entrou imediatamente em intensa intercessão.

Billy Graham disse: “O maior recurso ainda não explorado no mundo hoje é a oração”. Quero reafirmar: o que quer que tenhamos feito ou deixado de fazer é responsável por a nossa nação estar onde está. É necessário que haja oração para mudar o quadro como está hoje. De algum modo, Deus terá de encontrar alguém em algum lugar que acredite plenamente naquilo que ele fala em sua Palavra.

É isso o que Deus está procurando e é disso que a nossa nação precisa desesperadamente. No meio do povo de Deus estão as únicas pessoas que podem desempenhar esse papel. Os políticos não vão desempenhá-lo. O povo de Deus tem a oportunidade divina de perceber quando Deus está se movendo nos seus corações, levando-os a um relacionamento profundo com ele que nunca antes tiveram. Deus quer que conheçamos o que está no coração e na mente dele e que passemos a agir em cima disso.

Você está pronto para isso acontecer em sua vida? Você já ouviu o que Deus disse em sua Palavra, está ciente do que ele está procurando e do que ele quer iniciar? Tem sentido que algumas dessas coisas já estão sendo inseridas no seu coração? Está disposto a vir à presença de Deus e dizer: “Quero que tu saibas que a minha vida está inteiramente disponível a ti”? Você pode ter certeza de que Deus colocará o coração dele sobre o seu e, quando isso acontecer, ele o capacitará a agir em obediência.

Permita que Deus o use para expressar sua poderosa presença no meio da nação através de sua vida. Tenho visto Deus fazer isso comigo. Estou percebendo como ele tem conduzido minha vida em direções que eu nunca teria escolhido por mim mesmo. Estou observando como ele tem colocado sobre meu coração o seu pesar e sentimento sobre os confins da Terra de uma maneira que nunca antes havia visto. Estou compartilhando isso com meus filhos e observando o momento em que Deus também coloca o mesmo pesar no coração deles.

É assim que você tem orientado os seus filhos? O seu desejo é que sejam simplesmente bons cristãos que vão à igreja e tenham um bom emprego – isso o deixaria feliz? Onde está o coração para que a vontade de Deus se manifeste em suas vidas?

Você se lembra da aliança que Deus fez com Abraão? A partir de então, sempre se dizia: “Abraão, Isaque e Jacó”. Quantas gerações Deus quer impactar através de tocar em uma? Nesse caso, pelo menos três foram transformadas.

Você tem conduzido seu relacionamento com Deus de tal forma que seus filhos são atraídos e não querem fazer outra coisa senão servir o Senhor de todo o coração? O que está acontecendo na geração que vem depois da sua, naqueles que o estão seguindo? É importante observar, ficar atento para ver o que virá depois de mim. Há alguma intensidade naqueles que me seguem por terem observado minha vida? Se não, por que não? E por que não fazer uma diferença agora no meu modo de viver para que a próxima geração tenha uma intensidade muito além da minha?

Oração Apaixonada, Persistente, Prolongada

A oração não é uma oportunidade para dizer a Deus o que você quer que ele faça. Oração é estar na presença de Deus, no lugar onde ele graciosamente lhe revela o que está no coração e na mente dele. E esse encontro afeta você tão radicalmente que tudo muda – a maneira de viver, a maneira de falar, o modo de planejar, o modo de investir o tempo.

Sua nação vive um momento de crise? Está precisando de uma mudança radical? Precisa de um poderoso toque de Deus através de alguém que o conheça e saiba o que está em seu coração, que tenha uma paixão para orar até que Deus responda? Pequenas orações não alcançarão esse alvo. Somente o alcançará oração apaixonada, persistente, prolongada.

Em Lucas 18, Jesus disse que devemos orar sempre e nunca desistir. Para ilustrar, ele conta a história da mulher que procurou o juiz e persistiu até que este atendesse à sua queixa, afirmando com isso que o Pai celestial certamente ouvirá aqueles que a ele clamam dia e noite. A seguir, lemos uma das mais patéticas conclusões de toda a Bíblia: “Contudo, quando vier o Filho do Homem, achará porventura fé na terra?” (Lc 18.8).

Se Deus expusesse nossos corações, será que encontraria pessoas que o conhecem, que crêem nele e que estão comprometidas a dedicar-se com paixão e intensidade na sua presença? Com certeza, numa hora como esta, diante da condição da nossa nação, com eleições se aproximando e terroristas ameaçando a estabilidade de vários países, não há dúvida de que Deus tenha algo no coração e na mente para revelar a alguns dos seus filhos a fim de que estes venham a orar segundo a mente e o coração de Deus.

Quero lhe perguntar: na sua vida de oração pessoal, como família, como casal ou como igreja, você pode dizer com toda a honestidade que sabe o que está no coração e na mente de Deus com relação ao futuro iminente? O que você sabe tem desencadeado alguma enorme carga de oração, um desejo de se envolver com o que Deus está para fazer, seja o que for? Ou você teria de admitir: “Eu sou um filho de Deus, mas preciso reconhecer que não estou verdadeiramente envolvido com oração”.

Por toda a Bíblia, sempre que Deus estava para fazer alguma coisa, ele procurou alguém que se colocasse diante dele em oração de tal modo que pudesse revelar-lhe o coração e os pensamentos. Nesta hora crítica em que estamos, você seria um daqueles? Talvez você não entenda o que isso pode envolver, só sabe que o Espírito de Deus está lhe dizendo: “Não deixe este momento passar”. Deus está procurando sua vida, está seguindo você e quer instruí-lo a orar de tal modo que sua vida seja usada por Deus para fazer uma diferença e mudar o curso da história.

O apóstolo Paulo o expressou assim em 2 Coríntios 5.9-11:
É por isso que também nos esforçamos, quer presentes, quer ausentes, para lhe ser agradáveis. Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo. E assim, conhecendo o temor do Senhor, persuadimos aos homens...

Qual é a motivação (ou falta de motivação) que você tem para ser uma pessoa de oração através de quem Deus possa mudar o curso da história ou o curso de sua família, igreja, cidade, estado ou nação? Estou convencido de que Deus teria o suficiente para reverter o rumo da nação, se tão-somente nos uníssemos a ele. Seria você um daqueles? Eu não posso tomar essa decisão por você.

Deus está esperando para ver o que você vai fazer agora. Uma vez que conhece a verdade, o que você faz a seguir define o que acredita a respeito de Deus. As questões que estão em jogo são muito sérias. A eternidade é o que está em jogo, e você pode influir no resultado. Nunca, em toda minha vida, senti que Deus estava tratando comigo de forma tão radical e completa como agora; choro diante do Senhor, temendo não alcançar o nível que ele está procurando. Estou me rendendo vez após vez a ele.

Henry Blackaby é autor e conferencista, com um ministério dedicado a levar os cristãos a verdadeiras experiências com Deus e a promover avivamento e despertamento na Igreja. Sua obra mais conhecida é “Experiências com Deus”. Mais informações sobre suas obras e ministério no site: www.blackaby.org.

Fonte: O Arauto da Sua Vinda, Ano 26 nº 3 - Maio/Junho 2008

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão ou amigo, faça seu comentário. Alguns comentários podem ser apagados..... Você tem liberdade de escrever o que quiser, porém, sua liberdade está condicionada ao senhorio de Jesus Cristo, às Santas Escrituras e aos objetivos do blog.