Pesquise em mais de 1800 postagens!

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Minha Filha em Angola fazendo Missões - parte 3

Duas portas já haviam sido abertas, faltavam 3:

  • Dinheiro - OK;
  • A permissão da mãe dela (afastada dos caminhos do Senhor) - OK;
  • A concordância do Caíque (líder do Ministério de Teatro Jeová Nissi, promotor da viagem);
  • Justiça Brasileira e Polícia Federal;
  • Consulado de Angola no Rio de Janeiro;
  • etc.
A mãe da Camila, não somente permitiu a viagem, como correu atrás de toda a papelada.
Nos primeiros contatos com o pessoal do Jeová Nissi, alguns começaram a achar que o Caíque não liberaria uma pessoa menor de idade.

Na verdade isso era perfeitamente compreensível. Levar a filha dos outros para um local como aquele?

Como assim um local como aquele? Bem, é um país assolado por uma guerra civil que foi de 1961 a 2002! Confira aqui.

Alguém já comparou a bandeira angolana a um gráfico:


Vermelho - pessoas infectadas pelo HIV
Preto - pessoas infectadas pela Malária
Amarelo - pessoas com acesso a cuidados médicos

A Camila escreveu um texto para o Caique no meio do formulário de preenchimento dizendo o porquê de seu desejo em ir a Angola. O Caique foi usado por Deus e liberou!

A terceira porta foi aberta!


Minha Filha em Angola fazendo Missões - parte 2

A primeira porta já havia sido aberta. O dinheiro da viagem à Disney seria usado para ir a Angola.

Ela trocou a Disney por Angola.

Espera um pouco, a Disney...

Por Angola?



Uma adolescente vai trocar a Disney por Angola?????

???????????????

É isso mesmo! Vai entender os mistérios de Deus nos corações dos homens.
Chame 10 adolescentes que não vão a nenhuma igreja e perguntem se fariam essa troca. Faça o mesmo dentro de qualquer igreja. A diferença nas estatísticas não seria tão grande. Todos os adolescentes responderiam NÃO. Isso é normal e até compreensível.

Pergunte a 10 pais de adolescentes se deixariam a filha de 14 anos viajar sozinha em um país que acabou de sair de uma sangrenta guerra civil, onde a AIDS e a malária assola a população. Todos os pais responderiam NÃO. Isso é normal e compreensível.

Com Deus a história é outra. O que é NORMAL para Deus? Realizar milagres!

Mesmo a mãe da Camila estando desviada dos caminhos do Senhor, acabou por concordar com a viagem.

A segunda porta havia sido aberta!


Minha Filha em Angola fazendo Missoes - parte 1

É benção ouvir uma jovem dizer que deseja ir para Angola porque Deus a está chamando.
Nós ouvimos estas histórias e, talvez, pouca coisa passa em nosso coração, a não ser um "Oh! que benção!".

Contudo, qual a sua reação quando a sua filha diz: "Pai, quero ir para Angola! Deus está me chamando!"?

É isso mesmo, minha filha foi para Angola para um projeto de 29 dias! Bem, entre querer e realmente ir, e principalmente, voltar, há grande diferença.

Tudo começou quando ela assistiu esse filme do Projeto Tenho Fome:


Foi mais ou menos assim. Ela assistiu várias vezes a esse filme e me ligou um dia chorando em agosto do ano passado (acho eu). A Camila mora com a mãe em outra cidade. Você pode vê-la  abraçada comigo no canto inferior direito nas fotos do banner do site. Fruto de meu primeiro casamento, ela é vítima das inconsequências de um pai e de uma mãe que não vigiaram na Palavra. Graças a Deus que eu sou apenas pai, enquanto Ele é o Pai.

Sem saber de nada, pensando que fosse algum problema com a mãe, ou outra derrota no jogo de basquete, ela me disse: "Pai, preciso fazer alguma coisa para Deus!"

Assustado, respondi para ela: "Filha, você tem apenas com 14 anos, já faz muita coisa para Deus: você faz teatro na igreja, visita orfanatos e hospitais nos finais de semana. Para a sua idade está suficiente, Deus está te preparando para algo grande".

Então ouvi algo muito difícil: "Pai, Deus tem colocado um grande amor por Angola! Assisti aquele filme de novo e só consigo chorar! O que eu faço? Preciso ir para Angola!".

Respondi para ela algo que nem eu quis acreditar estar proferindo: "Filha, se Deus está te chamando, quem sou eu para impedir? Ele te ama mais que eu!".

Então, assustado com minha resposta, voltando a tomar as rédeas da minha boca, enumerei as portas que deveriam ser abertas por Deus:
  • Dinheiro;
  • A permissão da mãe dela (afastada dos caminhos do Senhor);
  • A concordância do Caíque (líder do Ministério de Teatro Jeová Nissi, promotor da viagem);
  • Justiça Brasileira e Polícia Federal;
  • Consulado de Angola no Rio de Janeiro;
  • etc.

No alto da sabedoria de uma meninota de 14 anos, respondeu-me mais ou menos assim: "Minha mãe ia me dar de presente de 15 anos uma grande festa ou então uma viagem para a Disney. Eu troco a Disney por Angola".

Não tinha mais jeito. Deus e ela estavam determinados nesse projeto.

A primeira porta havia sido aberta!

Lembrei-me que desde o seu nascimento sempre a coloquei nas mãos de Deus, depois da separação muito mais. Tinha medo do que ela poderia se tornar na minha ausência, como poderia se corromper, duvidava da capacidade da mãe dela em educá-la, etc. Como estava enganado, tanto com relação à mãe dela como com relação ao fato de que eu pudesse ser referencial de alguém! Quanta presunção da minha parte. Nas minhas orações daquela época, pedia a Deus para cuidar dela, fazendo com ela o que Ele quisesse. Ele ouviu minha oração e anotou as minhas palavras!

Começamos a orar. O terceiro passo dessa viagem! Dois já haviam sido dados:
  • O chamado de Deus, e;
  • A resposta dela: Eis-me aqui Senhor!

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Lágrimas dos Santos



Uma música maravilhosa que fala aos nossos corações!

Lágrimas dos Santos (Tears of the Saints) de Leeland. Acompanhe a tradução:

Existem muitos filhos pródigos
Em nossas cidades eles correm
Procurando por abrigo
Existem lares destruídos
Esperanças de pessoas têm caído no chão
De falhas

Isto é uma emergência!

Existem lágrimas dos santos
Pelo perdido e não salvo
Nós estamos clamando para que eles voltem para casa
Nós estamos clamando para que eles voltem para casa
E todas as tuas crianças estenderão suas mãos
E levantarão o homem aleijado
Pai, nós os guiaremos para casa
Pai, nós os guiaremos para casa

Existem escolas cheias de ódio
Até mesmo igrejas têm abandonado
O amor e a misericórdia
Nós podemos ver esta geração
Neste estado de desespero
Por tua glória

Isto é uma emergência!

Pecadores, ergam suas mãos!
Crianças, em cristo vocês permanecem!
Pecadores, ergam suas mãos!
Crianças, em cristo vocês permanecem!

E todas as tuas crianças estenderão suas mãos
E levantarão o homem aleijado
Pai, nós os guiaremos para casa
Pai, nós os guiaremos para casa

De volta a Jerusalém - parte 4

Acompanhe esse vídeo que mostra o Movimento Back to Jerusalem (extraído do site):

De volta a Jerusalém - parte 3

O irmão Yun explica o Movimento de Volta a Jerusalém em seu livro, O Homem do céu. Acompanhe esse trecho (275-277):
É preciso deixar claro que, quando falamos sobre "Volta a Jerusalém", nosso alvo principal não é chegar a essa cidade. Não pretendemos apenas organizar um grande congresso lá! Jerusalém foi o ponto de partida do evangelho há dois mil anos, e acreditamos que este vai percorrer o mundo todo e voltar ao ponto onde começou. Nosso alvo não é evangelizar somente a cidade de Jerusalém, mas sim pregar aos milhares de grupos de povos, cidades e vilas não-alcançados que ficam entre a China e Jerusalém.
Hoje essa visão é o alvo principal de todos os líderes que compõem a Comunidade Sinim. Não é um projeto entre muitos outros. É a motivação e o foco de todas as nossas atividades. Conversamos sobre isso no café da manhã, no almoço e no jantar. Oramos sem cessar, pedindo a Deus que levante obreiros e remova obstáculos. E quando dormimos, a visão está em nossos sonhos.
Há alguns anos, os líderes da Sinim oraram sobre seu envolvimento com o Movimento Volta a Jerusalém. Depois nos reunimos e cada rede de igrejas domésticas revelou quantos missionários se comprometia a treinar e enviar para o campo. Fizemos o levantamento e descobrimos que o total era de cem mil. Isso significa que pretendemos enviar cem mil missionários para fora da China nos próximos anos!
Um exame histórico mais atento mostra que, na verdade, saíam três "rotas da seda" da China. Uma começando em Xian e se dirigindo para a Ásia Central e o coração do mundo islâmico. É a mais conhecida. A segunda rota de comércio passava pelo Tibet, cruzava o Himalaia e chegava ao Butão e Nepal. De lá, seguia para o Paquistão, o Afeganistão e o Irã, juntando-se então à estrada principal para Jerusalém. A terceira rota atravessava o sudoeste da China, onde vive atualmente a maioria dos grupos não-alcançados. Seguia para o Sul, passava pelo Vietnã e depois ia para o Oeste, cruzando países como Laos, Camboja, Tailândia, Mianmar (ex-Birmânia) e índia. Essa rota penetrava fundo no coração dos mun¬dos budista e hinduísta de hoje.
Depois de analisar esses fatos, os líderes da igreja entenderam que Deus nos chamara para seguir nas três direções com o evangelho. O Espírito Santo já havia chamado determinadas redes para focar áreas específicas. Por exemplo, uma rede tinha muitas famílias de missionários na região do Tibet. Então, era natural que dirigisse seus esforços para o mundo tibetano budista. Outra sentia, havia vários anos, um peso para alcançar grupos minoritários no sudoeste da China. A maior parte dessas tribos se espalha pelas fronteiras e penetra em países como Vietnã, Laos, Tailândia e Mianmar (ex-Birmânia). Essa rede assumiu a responsabilidade de levar o evangelho de volta a Jerusalém pela via que fica ao Sul.
Sabemos muito bem que essas nações não querem receber o evangelho! Temos plena consciência de que países como Afeganistão, Irã e Arábia Saudita jamais receberão os pregadores de braços abertos!
Entendemos também que os missionários, antes de ser enviados, precisam aprender a língua e a cultura e, quando partirem, necessitam de apoio para conseguir lutar pelo Senhor com a maior eficiência possível. Há hoje centenas de cristãos na China aprendendo línguas estrangeiras, como árabe e inglês, preparando-se para o serviço missionário fora do país.
Descobrimos também que os últimos 30 anos de sofrimento, perseguição e tortura que as igrejas domésticas enrentaram na China foram parte do treinamento de Deus. Ele nos preparou perfeitamente para irmos como missionários aos mundos muçulmano, budista e hinduísta.

De volta a Jerusalém - parte 2

Continuando...

A Volta a Jerusalém é evangelizar os países que estão na Rota da Seda.

A seda é um tecido preparado com o fio da seda. Uma "gosma" liberada pelo bicho-da-seda no momento que vai formar seu casulo. Os chineses desenvolveram a técnica de retirar esse fio finíssimo, enrolá-lo e tecê-lo. Somente uma região da China produzia esse tecido. Essa região era protegida 24/7/365. Ninguém saia ou entrava nessa região. O inseto era rastreado. Segredo de estado.

O tecido seguia por diversas rotas até a Europa que era fascinada pela seda e pelo mistério. Na cabeça dos europeus surgia a pergunta: "Que planta produz um fio assim?" Esses trajetos ficaram conhecidos como a Rota da Seda. O caminho que Marco Polo usou para chegar ao Oriente.

Leia mais na Wikipedia.

Continua...

De volta a Jerusalém - parte 1

O maravilhoso livro O Homem do Céu, da Editora Betânia é empolgante e incentivador. É considerado o Atos dos Apóstolos Chineses. Foi escrito pelo irmão Yun e por Paul Hattaway, líder do Movimento Asia Harvest (Colheita na Ásia).

Conta-nos a história do Irmão Yun, um chinês que aceitou a Jesus aos 16 anos de idade e, desde lá, vem pregando o Evangelho de Cristo por todas as Nações. Banido da China, atualmente mora na Europa, onde centraliza forças para o Evangelismo da China e das nações que rodeiam a Rota da Seda.

O Projeto Back to Jerusalem é a Volta a Jerusalém. O cumprimento da Grande Comissão. Segundo seus líderes, Deus chama os cristãos chineses a Voltar a Jerusalém, ou seja, o Evangelho, que iniciou em Jerusalém, deu a volta no mundo e agora precisa voltar para lá!

Não foi o irmão Yun e sua geração que fundou tal organização. Foi o grupo denominado Família de Jesus em 1920, na própria China. Veja um trecho do livro (páginas 270-271), onde o irmão Yun conta a história:
Na década de 1920, Deus levantou um grupo chamado "Família de Jesus" para levar o evangelho a pé, da China a Jerusalém. Deram a essa iniciativa o nome de "Volta a Jerusalém". Outros grupos chineses receberam visão semelhante e iniciaram movimentos missionários que causariam impacto em muitas nações da Ásia e do Oriente Médio.
A Família de Jesus foi fundada em 1921, na Província de Shandong, por um cristão chamado Jing Dianying. Os membros do grupo acreditavam que deviam vender tudo que possuíam e distribuir seus bens aos outros membros. O slogan de cinco palavras resumia o compromisso com Cristo e a opção pela vida simples: "Sacrifício, renúncia, pobreza, sofrimento, morte".
Tinham como alvo vilas e povoados. Iam de um lugar a outro a pé, pregando o evangelho pelo caminho. O exemplo de vida comunitária e amor cristão profundo impressionava quem os via. Atraíam os que buscavam respostas para a vida e também os desabrigados, miseráveis e desprezados. Muitos cegos e mendigos se uniram à Família de Jesus e encontraram a vida eterna em Cristo.
A Família de Jesus continuou a crescer e enfrentou grandes sofrimentos. Muitas vezes, quando a comunidade itinerante chegava a uma localidade, a população se aproximava para agredi-los, humilhá-los e zombar deles. Entretanto a oposição não os deteve, e toda vez que pregavam o evangelho algumas pessoas abandonavam tudo para seguir Jesus.
No fim da década de 1940 havia cerca de 20.000 crentes chineses envolvidos em mais de 100 grupos de Famílias de Jesus espalhados pela China.
Muitos grupos acreditavam que Deus os chamara para levar o evangelho de volta a Jerusalém a pé, pregando e estabelecendo o reino de Deus por todo o caminho. Depois de milhares de quilômetros e de muitos anos de viagens, pregadores fiéis alcançaram a cidade fronteiriça de Kashgar, na região de Xinjiang, no noroeste da China.
Ele canta (página 271-272) um hino chinês antigo desse movimento:
Levante os olhos para o Oeste,
Não há obreiros para a grande seara.
O coração do meu Senhor sofre todo dia.
Ele pergunta: "Quem irá por mim?"

Com os olhos cheios de lágrimas
E sangue espalhado pelo peito,
Levantemos o pendão de Cristo
E resgataremos as ovelhas que perecem!

Nos últimos dias a batalha se aproxima,
E a trombeta já soou.
Vistamos logo toda a armadura de Deus
E avancemos contra as ciladas de satanás!

A morte bate à porta de muitos,
E o pecado domina o mundo.
Trabalhemos com fidelidade enquanto avançamos,
Lutando mesmo que morramos!

Com esperança e fé marcharemos,
Dedicando nossa família e tudo que temos.
Tomemos nossa cruz pesada enquanto
Marchamos rumo a Jerusalém!
 Acompanhe a série de textos sobre este assunto!