Pesquise em mais de 1800 postagens!

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Jesus, o motilone - parte 8

Refém! - parte 5
Por Bruce Olson, Maio 1990

Beleza no meio da dor
Em fevereiro, os responsáveis insistiram para que eu me declarasse partidário da sua organização militante. Respondi que não poderia justificar que, para alcançar objetivos políticos e sociais, teria de matar, e por isso não participaria. O meu título de repente mudou de "preso político" a "prisioneiro de guerra".
Os prisioneiros de guerra sempre eram executados. Guerrilha inventou toda uma lista de "acusações", e então eu fui formalmente condenado à morte.
Todos os líderes tentaram me violar psicologicamente. "Os índios te abandonaram" Foi-me dito. "Temos falado com eles, e nem um se preocupa se você vai viver ou morrer." Não podia acreditar, porque certamente se lembravam dos 28 anos que tinha gasto em conjunto com eles. Eles ainda eram minha família, porém, com as repetidas afirmações dos guerrilheiros, comecei a duvidar. Seria possível?
A tortura física que eu sofri durante esse período foi tão terrível, que eu provavelmente nunca falava sobre isso, mas então me forçaram a assistir a outras execuções de reféns. A mais comum era os reféns se ajoelharem na lama, apoiavam uma pistola de grosso calibre na testa e disparavam. A tampa do cérebro voava. Ocasionalmente foi utilizado fuzilamento, cujas balas espalhavam partes do corpo através das árvores e folhagens, como se fossem montes de lixo sangrentos. "É assim que você vai ficar se não assinar uma confissão" disseram-me.
Mas houve também momentos de profunda emoção. Nesse período sofri um ataque de diverticulite, perdi cerca de dois litros de sangue. Um médico que a guerrilha tinha contratado sentiu que poderia salvar-me através de uma transfusão sanguínea no meio da selva.
Imediatamente surgiu uma disputa sobre quem teria a "honra" em doar seu sangue, foi eleita um jovem que tinha se tornado cristã. Após a transfusão permaneceu ao meu lado, foi uma ocasião muito gratificante para mim.
"Agora, o meu sangue flui em suas veias, Papai Bruchko", disse ela. Havia lágrimas em seus olhos. E também nos meus.

Jesus, o motilone - parte 7

Refém! - parte 4
Por Bruce Olson, Maio 1990

Sussurros na noite
Quanto completei cinco meses de cativeiro, me permitiram ter uma Bíblia. Estas linhas do Salmo 91 foram alimentados-me: " Porque ele te livrará do laço do passarinheiro, e da peste perniciosa. Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel."
Sendo a Colômbia um povo católico apostólico e romano, os guerrilheiros até que concordaram que o domingo fosse um dia dedicado “a Igreja”. Câmara juntou-nos mais algumas semanas, no estudo bíblico e culto; sequer começou a rezar em conjunto.
Resolvi que poderia partilhar com eles a minha fé pessoal. Em pouco tempo alguns eram cristãos. Estava certo de que os responsáveis começaram a se preocupar com as boas relações que alguns guerrilheiros tinham comigo. E com razão, pois Jesus transformou a consciência deles induzido a questão da moralidade dos atos terroristas.
Uma noite, um jovem aproximou minha rede.
"Papai Bruchko", sussurrou, "Eles ordenaram a sua execusão, eu já resolvi desobedecê-los."
Isso significava que ele decidiu desobedecer uma ordem direta e sabia as conseqüências disso, fiquei profundamente tocado.

Jesus, o motilone - parte 6

Refém! - parte 3
Por Bruce Olson, Maio 1990

Subestimar o inimigo.
Em janeiro eu já tinha sido transferido para um terceiro acampamento. Em uma pequena clareira, os guerrilheiros construíram abrigos com palmeiras, mas eu fui forçado a dormir ao ar livre, sem proteção contra chuvas torrenciais, de modo que os insetos faziam festa em mim dia e noite.
Para combater o tédio, eu pedi que me permitisse ouvir os seus discursos políticos, que os deixaram satisfeitos. Na primeira manhã eu os vi lutando para transmitir as diferenças entre socialismo, comunismo e da democracia. Então eu lhes dei uma explicação bastante completa e, em seguida, vários guerrilheiros me perguntaram se desejava agir como mediador de debates. Com poucos estudos, ou planos ou mesmo sem eles, muitos guerrilheiros haviam se deixado apenas influenciar pelas opiniões de seus líderes revolucionários, os partidários de Castro. Este recurso deu-me uma oportunidade para expor novas idéias.
Após me conhecerem melhor, os guerrilheiros mais jovens começaram a chamar-me de Papai Bruchko. Os motilones me deram o apelido Bruchko, porque assim conseguiam pronunciar Bruce Olson. Por brincadeira, os jovens guerrilheiros acrescentaram "papai", porque aos 47 anos, era velho o suficiente para ser pai deles. Admitia que as suas atitudes eram amigáveis porque tentavam atrair-me para a sua organização.
À medida que continuamos nossas discussões, me ofereci para ensinar-lhes a ler e escrever. Os dirigentes viram nisso como prova de que eu estava interessado em juntar-se a eles, e fui autorizado. Um dia, durante as aulas, o principal responsável tirou um elástico das meias e começou a atirar nas formigas que andavam no chão. Este aí não ouviu uma palavra do que eu disse, pensei.
No entanto, minutos depois, esse mesmo ‘aluno’ fez uma revisão profunda e resumiu minha aula. Isso me ensinou a não subestimar os guerrilheiros, porque nada deixavam passar sem atenção.

Jesus, o motilone - parte 5

Refém! - parte 2
Por Bruce Olson, Maio 1990

Cartas de amor.
Era vigiado 24 horas por dia. A maior parte do tempo ficava com as mãos amarradas atrás das costas mesmo muito doente com malária e sofrendo intensa dor. Anos antes, o cuidado com os feridos ou doentes na selva, tinha me ensinado a isolar-me do desconforto físico. Quando se está muito longe de qualquer ajuda, com um braço perturbado, deve ir em frente: No momento eu disse para mim mesmo: "Esta dor só existe no meu corpo. Minha mente e o meu espírito estão acima desta, e não participam". Em seguida, aplicar este método para suportar alguns dos piores circunstâncias do meu cativeiro.
Pode parecer estranho, mas eu não estava preocupado com a minha sorte, porque pensei que era minha responsabilidade prestar um serviço onde eu estava e sabia que tudo estava nas mãos de Deus.
- Você é nosso preso político. Informou-me Manuel Perez, o diretor de política nacional ELN.
Anos antes Perez, um ex-padre jesuíta (surpreendentemente, grande número de líderes guerrilheiros foram padres católicos e ministros protestantes), tinha me convidou para trabalhar com ele no movimento revolucionário. Eu disse-lhe que os cristãos não devem envolver-se em guerrilhas.
- Queremos unir nossa liderança nacional. Perez disse-me nesta ocasião. "Queremos organizar os serviços sociais e de saúde, e escolas, assim como você tem feito entre os índios motilones. Caso não se junte a nós, te mataremos".
Alguns dias mais tarde, eu percebi que alguns guerrilheiros estavam com malária e febre, além de outros que mostravam sintomas de hepatite, uma vez que os seus hábitos de higiene eram medíocres e contribuíam para a propagação do vírus hepatite. Os guerrilheiros cospem constantemente, contaminando solo, água e alimentos. Mencionei este problema a um funcionário do acampamento, que chamou os responsáveis, e como que por magia todos pararam de cuspir.
Nesses dois meses, eu vivia em uma constante oscilação: um dia tratado educadamente, em outro, castigado. Evitei as discussões e tentei ajudar o melhor que podia. Ensinei aos cozinheiros a prepararem deliciosos pratos com lagartas de palmeira defumadas; fazia pão para todo o acampamento três vezes por semana, e escrevia cartas de amor que os jovens analfabetos da guerrilha enviavam para as suas namoradas. Ambos tinham uma estratégia: eles queriam entrar em minha vida e eu nas suas. E eu fui progredindo.

Jesus, o motilone - parte 4

Refém! - parte 1
Por Bruce Olson, Maio 1990

Introdução
Em 1960, Bruce Olson, jovem norte-americano de 19 anos de idade viajou para a América do Sul por avião transportando 100 dólares em seu bolso e foi sozinho para a selva que se estende ao longo da fronteira entre a Colômbia e a Venezuela. Procurando por uma tribo de índios conhecido como motilones, que vivem na Idade da Pedra. Eles eram ferozes com as pessoas, famosos por matar todos os homens brancos que se atreveram a atravessar seu território. Mas os motilones morriam por causa de várias epidemias, ainda jovem, Bruce tinha a convicção de que Deus lhe chamou para ajudar a salvá-los. Durante os próximos 30 anos, Olson fundou dez centros de saúde, 16 programas agrícolas, oito cooperativas comerciais e 12 escolas bilíngües, todos para os motilones, alguns dos quais já tinham feito estudos universitários. Depois, uma manhã em outubro de 1988, os comunistas revolucionários capturaram Bruce. Eis aqui sua história, descrita por ele mesmo:


Refém!
Foi uma manhã morna (43° C), nas selvas do nordeste da Colômbia equatorial, a região chamada Motilândia. As aves e macacos grasnavam quando eu comecei construir uma canoa com 15 índios motilones. Essa canoa iria nos levar a uma cooperativa de alimentos. Senti que estava prestes a dar-me um outro ataque de malária, e esperava que o suor causado pelo calor sufocante me ajudaria a superar.
Enquanto Kaymiyokba, bom amigo meu e chefe dos motilones, concluiu o barco, o atracamos nas margens do rio. A guerrilha colombiana pensou que eu era a pessoa-chave para fazer um acordo com os índios filiando-os à causa comunista. Como resistissem a todas as tentativas de contato, eu tinha sido repetidas vezes ameaçado de morte. À medida que nos aproximamos do cais, vimos dois guerrilheiros armados. Sem aviso, metralhadora fez saltar a água ao nosso redor.
- Saia da canoa! gritou um guerrilheiro. Deite-se com o rosto para o chão!
Kaymiyokba e diversos outros motilones caminharam irritados em direção a guerrilha, com a intenção de atacá-los mesmo de mãos limpas. Mas antes de qualquer reação, os guerrilheiros dispararam a metralhadora à frente de Kaymiyokba, quase o acertando, mas, ele manteve-se firme.
Bruce Olson é prisioneiro da União Camilista do Exército de Libertação Nacional! Gritam.
Este grupo guerrilheiro, conhecido como ELN, foi o único das quatro grandes organizações revolucionárias que se recusaram a aceitar a trégua com o governo.
Eu deveria dar oportunidade aos motilones de escapar. Disse a Kaymiyokba em seu dialeto:
- Não me sigam!
Então eu falei com a guerrilha:
- Eu sou Bruce Olson, sou eu quem vocês procuram. Deixem os motilones em paz!
Comecei a caminhar quando alguém gritou:
- Alto, ou nós atiramos!
Acelerei o passo. De repente, cerca de 450 metros após os motilones, dois guerrilheiros pularam na minha frente, caí e tive uma arma apontada para a cabeça. Então é assim que morrerei, eu pensei.
Fui firmemente amarrado com as mãos por trás das costas, precisei caminhar a pé. Depois de três dias e noites insuportáveis, finalmente chegamos ao acampamento guerrilheiro.

terça-feira, 27 de maio de 2008

Cuidando do próximo

E-mail recebido:

"Cada um cuide, não somente dos seus interesses, mas também dos interesses dos outros."
Filipenses 2.4

Gilson,

A vontade do homem é uma das principais barreiras à ação do Espírito de Deus. Nossos interesses, opiniões e desejos normalmente se interpõem na hora de interagir com nossos irmãos. É preciso ter humildade e estar sempre pronto a ouvir o que os outros têm a dizer, e então, agir de forma adequada.

Quando chega a um país, a Porta Abertas sempre pergunta qual é a necessidade dos irmãos, antes de planejar uma ação concreta. Em uma visita recente à Venezuela, pastores pediram orações. Contaram também que o presidente Hugo Chávez planeja interferir na Igreja, exigindo registros, agrupamento de denominações em um mesmo prédio e a obrigatoriedade de realizar casamentos entre pessoas do mesmo sexo (leia mais).

Na China, nosso Correspondente Internacional, Johnny Li, nos traz uma visão diferente de sua terra natal. Ele fala sobre o avivamento da Igreja, explica sobre a perseguição e, apesar dos acontecimentos trágicos, se mantém otimista (leia mais).

No Vietnã, um exemplo clássico de como o inimigo se levanta contra aqueles que espelham as mudanças que só Jesus pode fazer. O milagre na vida de um ex-viciado em drogas incomodou tanto que ele teve sua casa confiscada por pregar o evangelho com seu exemplo de transformação (leia mais).

Gilson, os relatos acima vêm de países cujo governo se mostra autoritário. No Brasil, vivemos num sistema de governo que, em tese, "ouve" os interesses da população para tomar as suas decisões. Sendo assim, precisamos abrir a boca e exercer os nossos direitos contra os projetos de lei que pretendem incriminar a pregação da Palavra de Deus.

Tsuli Narimatsu
Jornalista

PS: A luta contra a aprovação do PLC 122/06 no Senado continua! Envie e-mails e telefone mais uma vez para impedir que a pregação da Bíblia seja censurada no Brasil. Para saber como agir, clique aqui.

  27 de maio de 2008
 

www.portasabertas.org.br
Fone: (0--11) 5181 3330
Fax: (0--11) 5181 7525

domingo, 25 de maio de 2008

Jesus, o motilone - parte 3

Tradução (mais ou menos automática) do artigo "Incrível, mas Verdadeiro" da Revista Prisma de março/abril de 1998 (volume 26, n° 2):




Bruce foi uma criança estudiosa no frio estado de Minnesota dos EUA. Os seus pais não aprovaram que mostrasse interesse crescente em aprender sobre a Bíblia e muito menos o tempo com cristãos fervorosos fiéis. Originalmente eles eram luteranos. Poucos jovens como ele queriam dominar antigas línguas como o grego e o latim! Surpreendeu ainda mais quando Bruce deixou a universidade com dezenove anos de idade para sair em uma viagem de aventura à América do Sul.



Qual seria esse cara tão especial? Anos mais tarde, Bruce se tornou homem multifacetado que fala mais de quinze línguas, proferiu um discurso na Organização das Nações Unidas e é quase uma lenda, na Colômbia. Tem amigos nos mais altos cargos do país, e também entre os mais primitivos indígenas. É quase inacreditável a história de como ele chegou em 1962 para a temível tribo dos motilones, um jovem doente, ferido, fraco, e, por essa razão fico sob seus cuidados até ser curado. Segundo uma lenda indígena, um homem branco tocando uma flauta, traria maldição aos motilones. Bruce foi confundido com esse ser lendário e um destacamento de motilones de outra tribo veio para matá-lo. Mas Deus tinha outros planos. Bruce sem saber de nada, conseguiu escapar, só mais tarde se tornar amigo do motilone chefe durante toda a sua história, integrando língua e cultura.



Quando Bruce foi tomada em cativeiro pela guerrilha do Exército da Libertação Nacional (ELN) durante dez meses de 1988 e 1989, o mundo viu a medida em que os motilones tinham sido mudados. Eles entraram com a tribo BARI, CUIB, GUAJIBO, SALIVA, YUCO, TUNEBO do nordeste da Colômbia e outras tribos, algo impossível no passado, para fazer uma campanha pela sua libertação. Eles publicaram cartas abertas e muitos editoriais em jornais e as redes de televisão ficaram maravilhados com o que estava acontecendo. No final do seu rapto Bruce foi condenado aà pena de morte, mas o comandante no último minuto mudou por balas cartuchos vazios e, em seguida, libertou Bruce Olson. E todos os esforços para desestabilizar o ELN está Colômbia funcionaram porque muitos dos seus membros foram convertidos a Cristo por ter Bruce como seu prisioneiro.



Os Motilones atualmente permanecem os homens da selva, mas com uma grande diferença. Há agora mais de 60 escolas, onde ele ensinou em 18 línguas de diferentes tribos além do espanhol. Bruce teve êxito na criação de uma reserva de terras em perpetuidade, 630.000 hectares de terras para o povo Motilone de Bari; aos invasores não será mais permitido tentar retirará-los de seu lugar. Centenas de motilones tem se graduado nas escolas profissionais, mas já regressaram à tribo. Existem mais de 50 centros de saúde, 42 centros de agricultura, especialmente no âmbito da sua região na selva. E alguns dos indígenas tem se elegido para cargos políticos pela primeira vez na história da Colômbia.



O que aconteceu entre os motilones não tem paralelo na história de qualquer país. Em uma ocasião, o presidente colombiano falava com os indígenas. Arabadoyca comentou:



- Essa é realmente a resposta às necessidades da comunidade.



Mas Arabadoyca sabia que não era nenhuma medicina preventiva ou a agricultura tropical que havia conciliado as tribos. Continuou:



- É porque a nossa tribo agora seguir as pisadas de um novo líder. Que representa o chefe máximo para os motilones.



O presidente disse com um sorriso:



-Sim, Bruce o missionário.



- Não, não, esclareceu Arabadoyca. É Saymaydodji-ibateraducura.



-Quem?



-Jesus Cristo.



Afinal, quem transformou esses colombianos não foi um missionário louro que atualmente sofre de tripanossomíase vrônica, e que por 38 anos tem caminhado ao lado dos motilones, ajudando-os a construir centros para a sua evolução, dando-lhes a Palavra de Deus na sua própria língua, demonstrando na frente delas uma fé viva.



Jesus Cristo é o único que fez tudo.

Jesus, o motilone - parte 2







Bruce Olson é missionário ativo entre os Motilones desde 1961! É isso mesmo, ele passou mais tempo entre os índios Motilones do que você tem de idade!




Os índios motilones habitam na América do Sul, Colômbia, Venezuela e Brasil, ou seja, a Floresta Amazônica! E, entre eles, um jovem norte-americano de 19 anos foi morar. Um jovem branco alto e desengonçado viajando sem o consentimento de seus pais, apenas com uma promessa de Deus em seu coração. Viajou para a Venezuela sem saber espanhol e sem aliança com nenhuma Agência Missionária.
Um pouco dessa nós vamos narrar aqui. De como Jesus tornou-se Saymaydodji-ibateraducura.
Sabe quem é Saymaydodji-ibateraducura?
Saymaydodji-ibateraducura é o supremo chefe dos Motilones. Senhor dos Senhores.
É Jesus Cristo!
Mais fotos:






Jesus, o motilone - parte 1

Acabo de ler o livro "Por esta cruz te matarei" de Bruce Olson.

Leia o que está escrito na contra-capa:
"O que acontece quando um jovem de dezenove anos sai de casa contra a vontade dos pais e vai trabalhar com uma tribo de índios selvagens? Que resultado esperar do sonho de um jovem que deseja acima de tudo servir ao Senhor? De que modo o amor de Deus e o Evangelho podem transformar vidas e, ao mesmo tempo, preservar a cultura de um povo primitivo?
Neste clássico da literatura missionária, Bruce Olson responde a essas e a muitas outras perguntas sobre o desafio missionário entre os índios e povos primitivos. Este livro é um clássico que todo cristão precisa ler e divulgar, a fim de que a obra missionária seja impulsionada ainda mais na igreja brasileira".


Bruce Olson nasceu e foi criado em Minneapolis, Minnesota, nos Estados Unidos. Cursou a faculdade na Universidade de Minnesota e em Pennsylvania. Daí foi para a Venezuela, onde freqüentou a Universidade de Caracas, e, finalmente, entrou em contacto com os índios motilones. A força de seu incomum amor pelos índios e os excepcionais resultados de seus inovadores métodos missionários deram-lhe a oportunidade de travar amizade com cinco presidentes colombianos consecutivos e levaram-no a falar nas Nações Unidas, na Organização dos Estados Americanos e em muitas outras organizações proeminentes.
Este livro publicado pela Editora Vida Vida custa apenas R$ 13,00!
O site de Bruce Olson é super simples e prático. Este é o seu estilo: um homem simples, prático e determinado no chamado de Deus para a vida dele.
Fotos dos motilones:

Índio Motilone limpando peixe
interior da casa comunitário dos Motilones

terça-feira, 20 de maio de 2008

Liberdade em Cristo

E-mail recebido:

"Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão."
Gálatas 5.1

Gilson,

Em nossa caminhada com Cristo, é comum cairmos em algumas ciladas e nos tornarmos escravos de nós mesmos, das obras da nossa carne, de aspectos ainda não transformados pelo Senhor em nossa personalidade e até da aprovação e opinião dos outros.

O Irmão André, fundador da Portas Abertas que se infiltrou na Cortina de Ferro para atender à Igreja Perseguida, completou 80 anos (leia mais). Ele lembra que no período comunista propagava-se a ideologia "não há Deus". Hoje, diz ele, o mundo questiona "quem é Deus" e tenta impor sua visão. Será que nós, cristãos, temos respondido adequadamente com um testemunho de amor?

No Brasil, diante da tentativa de aprovar o PLC 122/06 que busca calar líderes religiosos e modificar a Bíblia, cresce a mobilização daqueles que não conseguem suportar opiniões discordantes. No próximo domingo, em São Paulo, acontecerá a "Parada Gay" para pressionar os senadores. O risco de aprovação do projeto nas próximas semanas é maior diante de um forte clamor popular (leia mais). Ore e envie sua opinião ao Senado.

Na Nigéria, a Suprema Corte decidiu pela pena de morte para qualquer pessoa que for julgada e condenada por blasfêmia (leia mais). Isso abre um precedente perigoso, visto que o conceito de blasfêmia é subjetivo e diversos cristãos inocentes têm sido falsamente acusados.

Gilson, o jugo de escravidão pode ter múltiplas formas: a falta de controle na hora de ir às compras, a dedicação excessiva a um hobby, a extrema preocupação com a aparência ou com a opinião dos outros, entre outras.

Tenha uma semana de reflexão e paz,

Tsuli Narimatsu
Jornalista

PS: Envie seus comentários e fotos para nos contar como foi o DIP em sua igreja. Escreva para dip@portasabertas.org.br.

20 de maio de 2008

www.portasabertas.org.br
Fone: (0--11) 5181 3330
Fax: (0--11) 5181 7525

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Aniversário do Blog!

Estamos comemorando neste dia 14 de maio, 1 ano de postagens!
Deus seja louvado! A Ele, o Autor e mantenedor da Criação, seja a glória, o louvor, a honra, a adoração. Deus é maravilhoso!
Quase 1 postagem por dia neste último ano foram publicadas. Alguns artigos próprios, artigos retirados do Jornal Arauto da Sua Vinda, etc. Deus seja louvado!
Recebemos mais de 24000 visita! 65 visitas por dia, em média!



Países
Países que nos visitaram neste ano (por ordem de quantidade de visitas): Portugal, Estados Unidos, Japão, Alemanha, Grã Bretanha, Espanha, França, Canadá, Itália, México, Chile, Suíça, Paraguai, Angola, Argentina, Holanda, Peru, Moçambique, Colômbia, Suécia, Bélgica, Austrália, Venezuela, Indonésia, Cabo Verde, Grécia, Guiana Francesa, Turquia, Marrocos, Bolívia, Uruguai, Malásia, Israel, Índia, Irlanda, Nicarágua, República Dominicana, Polônia, Rep. Checa, África do Sul, Quênia, Noruega, Romênia, Costa Rica, Vietnã, Singapura, Dinamarca, Egito, São Tomé e Príncipe, Filipinas, Macedônia, Equador, Arábia Saudita, Islândia, Porto Rico, Lituânia, Região da Ásia/Pacífico, Hungria, Malta, Áustria, Senegal, Nova Zelândia.




Indicações
Veja alguns sites que nos indicam:

http://idemissaoevangelho.blogspot.com/
http://missaocristocentrico.org/links.html
http://www.ibmcharisma.blogspot.com/
http://semuad.blogspot.com/
http://cristotube.blogspot.com/
http://www.janoluca.blogspot.com/
http://refazo.multiply.com/
http://www.veredasmissionarias.blogspot.com/
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=8226686
http://ministeriodedancaeartes.spaces.live.com/
http://jackvieira.wordpress.com/
http://cristotube.blogspot.com/
http://pt.muestrarios.org/b/louvor-e-adora-%C3%A3o---conclus%C3%A3o.html
http://espadaafiada.blogspot.com/
http://haiala.blogspot.com/2008_04_01_archive.html
http://www.bloguzz.com/index/blogdetail/id/3078/misses-e-adorao
http://nolimits.goodlinq.info/vossogdl/
http://www.cadecristo.com.br/blogcristao/UBEUniaodeBlogueirosEvangelicosBrasileiros_FO.htm

terça-feira, 13 de maio de 2008

A oração do justo

E-mail recebido

 

"Portanto, confessem seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz."
Tiago 5.16

Gilson,

Milhares de pessoas estão enfrentando nesse exato momento sérias dificuldades, resultantes de catástrofes naturais como o terremoto na China, o ciclone em Mianmar e o tornado nos Estados Unidos.

A província de Sichuan, na China, foi a mais atingida pelo terremoto que abalou ontem o país. Cerca de 80% de todas as construções vieram abaixo. Há milhares de pessoas presas sob os escombros e correndo risco de morte. Ore por milagres (leia mais).

De Mianmar recebemos a informação de que a Junta Militar, que governa o país com mão de ferro, está dificultando a entrada de agentes humanitários, e tem distribuído alimentos de forma seletiva. A dimensão da tragédia já é comparada à assolação do tsunami na Indonésia, em 2004 (leia mais). Interceda por justiça e pela transformação desta nação.

Mas, em meio a tantas notícias tristes, ainda podemos tirar lições valiosas de mulheres que viveram tragédias pessoais e permanecem firmes na rocha que é Jesus. Confira aqui, em nosso especial sobre as mães da Igreja Perseguida, histórias reais que só nos ajudam a amadurecer em nossa vivência cristã.

Gilson, momentos como esses, de catástrofes naturais, sofrimento e fragilidade, já estavam previstos na Bíblia, mas não nos isentam da responsabilidade de orar por aqueles que estão sob tamanha dificuldade. Junte-se à equipe da Missão Portas Abertas no clamor por essas vidas.

Boa semana,

Tsuli Narimatsu
Jornalista

PS: O quinto Congresso Brasileiro de Missões (V CBM), que acontecerá de 13 a 18 de outubro, é uma oportunidade preciosa para aqueles que sentem o chamado missionário. Para obter informações, basta clicar aqui.

  13 de maio de 2008
 

www.portasabertas.org.br
Fone: (0--11) 5181 3330
Fax: (0--11) 5181 7525

sábado, 10 de maio de 2008

Mães da Igreja perseguida

E-mail recebido:

Gilson,

Freqüentemente as mães da Igreja Perseguida enxugam as lágrimas, escondem o coração contrito e vão à luta pela sobrevivência da família. Elas sabem que, como colunas do lar, precisam ficar de pé.

Nós, irmãos em Cristo, podemos sustentá-las nesse momento com orações e palavras de conforto. As histórias de vida de algumas delas são enriquecedoras e podem nos ajudar em nossa própria caminhada de fé.  Clique aqui e conheça algumas mães da Igreja Perseguida que perderam seus maridos e filhos por causa da fé no Senhor Jesus.

Ore por elas! Um excelente presente para o Dia das Mães.

Equipe Portas Abertas

  9 de maio de 2008
 

www.portasabertas.org.br
Fone: (0--11) 5181 3330
Fax: (0--11) 5181 7525

quarta-feira, 7 de maio de 2008

A Palavra de Deus

E-mail recebido:

"Porque a Palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada do que qualquer espada de dois gumes; ela penetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração."
Hebreus 4.12

Gilson,

Nos dias de hoje, grande é o desafio à difusão da Palavra de Deus, seja pela escassez de Bíblias em alguns países ou mesmo pela abundância de exemplares nas nações livres, onde o povo é desviado de seu conteúdo pela "falta de tempo".

Um caso de restrição vem do Tadjiquistão, uma ex-república soviética que ainda mantém os resquícios do controle comunista. Recentemente a comunidade batista no país teve impedida a importação de Bíblias no idioma local (leia mais).

Na Coréia do Norte, a maioria dos jovens nunca ouviu falar a palavra "Deus" ou "Jesus Cristo" e nem sabe o que é uma Bíblia. Lá os cristãos são perseguidos desde 1945 e o governo tem como meta exterminar todo e qualquer vestígio de cristianismo no país (leia mais).

Mas é dos países livres, de maioria cristã, que vem uma desoladora constatação: o povo sabe o que é a Bíblia, sente-se protegido por Deus, mas não conhece o conteúdo das Escrituras. Moisés é do Velho ou do Novo Testamento? Jesus escreveu livros da Bíblia? A maioria dos 13 mil católicos, protestantes e ortodoxos ouvidos em uma pesquisa não soube responder (leia mais).

O conhecimento das Escrituras é o primeiro passo para uma caminhada verdadeira com Cristo. Para não se enganar com aqueles que dizem ser cristãos, aparentam ser, mas na prática não o são, a Palavra de Deus nos dá uma receita: a boa árvore se conhece pelos frutos.

Medite nas palavras do Senhor,

Tsuli Narimatsu
Jornalista

PS: Visite a página especial sobre a perseguição religiosa em pleno século 21. Basta clicar aqui.

  6 de maio de 2008
 

www.portasabertas.org.br
Fone: (0--11) 5181 3330
Fax: (0--11) 5181 7525

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Querido(a), conheça a China para orar!

E-mail recebido:

Querido(a) Gilson, conheça a China para orar!

"...a cada ano, a China experimenta um aumento de 3.000 km de novas vias expressa e de 1.500 km de novas estradas de ferro convencionais. Espera-se a construção de 600 novas cidades na primeira década deste século. Outras cidades se transformam a fim de abrir caminho para Três Gargantas, que se tornará a maior represa do mundo. A infra-estrutura para os Jogos Olímpicos de Pequim em 2008 é uma declaração de chegada ao status de "cidade de primeiro mundo". Se você quiser saber como o mundo seria se os engenheiros governassem a Terra, os principais líderes da China são engenheiros, visite o Reino do Meio, o antigo nome da China, e veja com seus próprios olhos..."

Para ler este artigo na íntegra, acesse:
http://www.mhorizontes.org.br/Paginas/mostra_informacao.asp?ID=939

Eis algumas sugestões de boa leitura sobre a China:
http://www.edicoeshorizontes.com.br/loja/pesquisa.asp?pesq=china&cat=todos&x=50&y=10

NEle,

Pr. Júlio, Lucileide e Talita - Rumo ao Tibete
http://www.mhorizontes.org.br/Paginas/mostra_informacao.asp?ID=194

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Transparência

E-mail recebido:


"Pois estamos tendo o cuidado de fazer o que
é correto, não apenas aos olhos do Senhor, mas também aos olhos dos homens."

2 Coríntios 8.21



Gilson

A Missão Portas Abertas coloca à sua disposição a edição de maio deste ano da revista Portas Abertas, que traz a prestação de contas do trabalho da Portas Abertas Internacional em 2007. Veja ao lado a revista na versão eletrônica.

Compromisso com a transparência
Nosso compromisso com a excelência nos trabalhos de campo e com aqueles que sustentam este ministério pode ser verificado na descrição de nossos projetos e no detalhamento de nossa contabilidade.

Em 2008, a Missão Portas Abertas completa 30 anos de atuação no Brasil e deseja que a relação com seus parceiros se aprofunde cada vez mais.

A transparência do nosso trabalho nada mais é do que a demonstração de que o nosso compromisso com a Igreja Perseguida se mantém, ano após ano.



Douglas Monaco
Secretário geral















Folheie a Revista
Portas Abertas

(formato flip)

clique aqui

Assine a revista
Portas Abertas

clique aqui
.


 


www.portasabertas.org.br
Fone: (0--11) 5181 3330
Fax: (0--11) 5181 7525