Pesquise em mais de 1800 postagens!

quarta-feira, 9 de julho de 2008

O Estandarte – Parte 1 - Um Modelo de Liderança - Ofer Amitai

Este dois artigos a seguir foram adaptados de uma mensagem apresentada na Conferência Internacional de Oração Intercessória em Jerusalém, em janeiro de 2002. Ofer Amitai é judeu, e pastor da Congregação El-Roii em Jerusalém.

Meu texto nesta mensagem é Isaías 59, mas gostaria de lembrar o contexto desta passagem, especialmente o capítulo 53, que contém o centro de toda revelação: o próprio Messias crucificado por nós. Meu objetivo é mostrar nossa posição e lugar no Senhor, como amigos de Deus, chamados à intercessão. Creio que este é o fruto que deve ser produzido por esta seqüência de capítulos.

Não conheço nenhum outro livro no mundo que tenha a capacidade de conduzir uma pessoa do abismo do inferno até a glória em poucas frases. Esta passagem de Isaías é um "elevador a jato", leva-nos da posição de separação de Deus, e do pecado, à união e glória de uma nova criação. Só Deus pode fazer isto.

Inimigos Por Dentro e Por Fora

O ponto central deste capítulo é o versículo 16, onde diz que o Senhor viu que não havia ninguém, e maravilhou-se de que não houvesse intercessor. Por isto seu próprio braço lhe trouxe a salvação. Depois, no versículo 19, quando o inimigo entrou como corrente de águas, o Espírito do Senhor arvorou contra ele sua bandeira (Edição João Ferreira Revista e Corrigida).

Esta bandeira, eu creio, não era uma bandeira pequena. Era um estandarte enorme, surpreendente, uma contracorrente de graça, misericórdia e salvação, que não só impediu a corrente maligna, mas completamente a absorveu. É a descrição do que Cristo fez no Calvário. Este é o centro de toda a obra de Deus. O Espírito do Senhor trouxe Yeshua e o levou à cruz a fim de levantar este estandarte. Este estandarte é a cruz, e é a fonte de vida para nós: é uma corrente enorme e poderosa. E sabemos que é a cruz que ganha a batalha – pois já vimos o final da história!

Há dois aspectos nesta passagem de Isaías que são muito importantes, e que na verdade estão intimamente interligados. O primeiro é sobre os inimigos de Israel. Nos versículos 17 e 18, Deus se levanta contra eles: "... e tomou vestidos de vingança por vestidura, e cobriu-se de zelo, como de um manto... furor aos seus adversários, e recompensa aos seus inimigos". Isto claramente se refere ao mundo, e ao ajuntamento de nações que converge para Israel com uma intenção maligna.

Mas há um segundo aspecto aqui, que inclui o pecado, a idolatria e a enorme corrente do mal que está dentro do próprio povo de Deus, que se afastou dele. A maldade do povo de Israel é o contexto imediato destes versículos.

A solução nos dois casos é a mesma: Deus levanta, ele mesmo, um estandarte no meio desta correnteza do mal, e traz a vitória. É uma grande vitória que atende às necessidades de Israel e do mundo inteiro. Pelo que posso entender, uma profunda revelação do Messias trata com os dois aspectos do problema, incluindo tanto uma visão da cruz de dois mil anos atrás, como da pessoa dele agora no final dos tempos. Só Deus poderia nos mostrar nestes poucos versículos uma visão do mundo e de toda a história, e ao mesmo tempo dar-nos a solução e a instrução do que devemos fazer. Como é tremendo o nosso Deus! Ele usa tão poucas palavras, enquanto nós gastamos quantidades tão imensas!


Josafá, o Líder Que Não Sabia o Que Fazer

Vou fazer referência a uma história bíblica que ilustra como Deus pode subitamente levantar um estandarte no meio de uma guerra ou de qualquer outra espécie de crise. Em 2 Crônicas 20, o rei Josafá enfrentava um enorme exército de amonitas e moabitas. Josafá era um rei temente a Deus, como fora também seu pai, Asa. Judá não estava nesta época empobrecido nem enfraquecido. Tinha riquezas, poder, e um bom exército.

Entretanto, o rei fez algo que é muito admirável e difícil para um líder fazer. Diante de todo o povo, ele disse: "Escutem, não sei o que devo fazer!"

Imagine se o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, aparecesse na televisão e dissesse: "Olhe, eu realmente não sei o que fazer – alguém tem um conselho?" Pode parecer um absurdo, mas foi isto que aconteceu aqui. Vieram diante de Deus, diante do templo. A Bíblia diz que Josafá temeu, e que se dispôs a buscar ao Senhor. Ele proclamou um jejum por todo o Judá, e o povo se reuniu para pedir ajuda do Senhor.

"Porque em nós não há força perante esta grande multidão que vem contra nós", Josafá orou. "E não sabemos nós o que faremos; porém os nossos olhos estão postos em ti." Segue-se, então, a descrição desta cena comovente: "E todo o Judá estava em pé perante o Senhor, como também as suas crianças, as suas mulheres, e os seus filhos" (2 Cr 20.12, 13).

Creio que estamos chegando mais uma vez a este tipo de situação. Há vários anos agora, tenho a clara sensação de que o inimigo está edificando, fortalecendo-se, preparando-se. Estamos chegando a um lugar onde não haverá retorno neste conflito. Israel tem um bom exército, e espero que o mantenha. Não quero vê-lo enfraquecido. O exército é bom, mas não é suficiente. Temos uma boa economia, mas também não é capaz de nos sustentar na crise. Somos um povo brilhante, bem dotado intelectualmente, mas isto também não dará para nos proteger.

Estamos nos aproximando de um tempo pavoroso, mas não precisamos deixar que nos pegue de surpresa. Posso sentir, é como se uma grande multidão estivesse se levantando, se munindo e se fortificando. O Irã poderá ter a bomba atômica em dois anos, e já disseram que estão dispostos a usá-la assim que a tiverem. É simples assim. As nações à nossa volta, sem contar com os palestinos, já têm suficientes armas químicas, biológicas e outras para demolir Israel completamente. Será que temos respostas para tudo isto? Não temos, realmente não temos!

Você sabe que Josafá poderia ter cedido à tentação de agir independente de Deus. Você já agiu sozinho, sem a direção de Deus? E como foram os resultados? Josafá, como rei, com uma palavra poderia ter colocado em ordem seu exército inteiro, e tomado a iniciativa para entrar na batalha. Ele poderia ter feito muitas coisas sem perguntar para Deus. Eu creio que estamos chegando ao dia em que definitivamente não saberemos o que fazer, se Deus não nos mostrar a saída. Se o próprio Deus não agir, não conseguiremos prosseguir. Isto não significa desespero, significa esperança, pois Deus é o único que sabe onde está a saída. Mas precisamos chegar a este lugar.
Quem sabe, havia conselheiros naquele dia que disseram: "Josafá, você está esperando o quê? Por que está parado aí? Você pretende ficar orando o dia inteiro? Pretende proclamar um jejum, para nos deixar mais enfraquecidos? Não se lembra como Saul jejuou e deixou o exército desfalecido?"

Os generais costumam falar assim – pois são práticos e sempre têm um plano. Aqui em Israel, sempre achamos que os líderes terão um plano para toda e qualquer situação. Fico feliz pela forma como Deus usou estes planos até aqui. Mas chega um momento quando a resposta terá de vir do Capitão do Exército celestial. Do contrário não haverá solução.


Depois da Espera, uma Voz

Às vezes eu queria ser transportado para um determinado momento da história, para poder ver e sentir pessoalmente o drama e a emoção daquela ocasião. Este seria um dos momentos que eu gostaria de visitar: a cena de total desespero, a incerteza e o desconhecimento, e o povo todo em jejum. Posso imaginar a confusão; milhares de pessoas, sem instalações sanitárias, sem água, ou outras provisões. Era inconveniente, e assustador. Certamente, havia tensão no ar, enquanto os generais, o rei, os sacerdotes, e todo o povo esperavam diante do Senhor.

De repente, no meio desse desespero, uma Voz. Deus levantou um profeta, e uma voz veio pelo Espírito Santo, dizendo-lhes o que fazer. Ó bendita voz de Deus, a palavra do Deus vivo! Vale a pena esperar a palavra do Senhor? Vale a pena ficar frustrado, às vezes?
Mas nossa tendência é dizer: "Deus, posso lhe dar até às três horas da tarde, e se o Senhor não vier, vou procurar outra solução!"

Não falamos exatamente isto, mas é assim que agimos. Temos alternativas! E os judeus são peritos nestas alternativas. Não queremos ficar sem recursos. Queremos sempre ter uma carta na manga, caso Deus não apareça. Mas vamos chegar a um lugar onde será Deus ou nada! Não teremos outro recurso.

Josafá esperou. Creio que sua maior grandeza como líder foi neste momento de espera. Você pode imaginar o que é ser líder e não fazer nada? Lembre o que aconteceu com Saul. Ele tinha ordem de Samuel para esperar, mas não agüentou. Finalmente foi em frente, e ofereceu o sacrifício, contra as ordens de Samuel. Fez um ato religioso. Podemos fazer uma porção de atos religiosos, mas onde acharemos um homem ou uma mulher que tenha a coragem de dizer: "Quer saber? Sinto muito, mas Deus ainda não me falou. Não vou fazer nada agora. Vejo vocês depois."
Josafá, como líder, tinha o temor de Deus, o quebrantamento, e a humildade para não fazer nada diante de todo aquele povo, e ficar firme até Deus falar. E o resultado foi glorioso. Por quê? Porque Deus lhes disse: "Escutem, esta batalha é por minha conta. Vocês não terão de levantar o braço para lutar."


Correspondendo à Voz de Deus

Mas ainda tiveram de sair para a batalha. Entraram numa esfera de fé. Foi como Josafá orou: "Nossos olhos estão postos em ti". Viram o Senhor e ficaram em suas posições pela fé. Estamos chegando a um dia quando somente a fé nos levará a ficar firmes. Não fé em nós, mas fé em nosso Deus, e no nosso amado Messias.

A Palavra diz que levantaram cedo (2 Cr 20.20). Eu gosto disto. Agora não hesitaram mais. Depois de ouvir de Deus, a espera acabou. Tinham certeza. Embora antes tivessem esperado bastante, agora saíram apressados de manhã, e fizeram exatamente como o Senhor lhes ordenara. E seu grito de guerra foi fundamental também. A única coisa que teriam de fazer era gritar: "Rendei graças ao Senhor, porque a sua misericórdia dura para sempre" (v. 21). Esta fé e confiança, não em suas obras, poder, ou sabedoria, foi que liberou a ação de Deus.

Creio que estamos vivendo neste tipo de situação. Quando acordo, não digo: "Aleluia! Quem quiser me enfrentar, venha que estou preparado!" Estou tremendo, e sinto mais do que nunca a necessidade de orar e interceder. Não ande por aí com arrogância e superioridade, dando como certo que Deus está presente. É tempo de humildade, e de humilhar a nós mesmos através de jejum e oração – não para nos tornarmos alguma coisa, mas para que Deus tenha misericórdia de nós.

Creio que as igrejas em toda parte deveriam estar cheias de gente orando nesta época crucial. Fiquei atônito depois do dia 11 de setembro, quando observei os cristãos continuarem como se tudo fosse normal. O povo neste texto estava despertado. E estar despertado é uma condição essencial para a batalha.

Fonte: Arauto da Sua vinda, ano 20, n° 5

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão ou amigo, faça seu comentário. Alguns comentários podem ser apagados..... Você tem liberdade de escrever o que quiser, porém, sua liberdade está condicionada ao senhorio de Jesus Cristo, às Santas Escrituras e aos objetivos do blog.