Pesquise em mais de 1800 postagens!

terça-feira, 25 de dezembro de 2007

Deus Procura Por Pioneiros de Avivamento - Paul S. Rees

Certa vez, apareceu diante dos olhos aguçados do profeta Ezequiel o quadro comovente do Todo-poderoso descendo para vasculhar as ruas e habitações de Jerusalém. Deus procurando por um homem! Um homem que pudesse abrir o caminho, que voltasse aos altares do Senhor, e que convocasse outros para o acompanhar. Um homem, em suma, que fosse um pioneiro no caminho para o avivamento. Surpreendentemente, Deus não conseguiu achar tal pessoa chave. Consequentemente, Jerusalém e Judá continuaram caminhando para sua ruína em 586 a. C. , espiritualmente sem despertamento e sem renovação.



Agora, mude de contexto histórico. Venha para a atualidade. No lugar do templo, coloque a igreja. E então lembre-se de Ezequiel 22.30: "Busquei entre eles um homem que levantasse o muro, e se pusesse na brecha perante mim por esta terra, para que eu não a destruísse, mas a ninguém achei".



Não existem numerosas "brechas" ou "rupturas" hoje? Lembre-se que Deus está procurando pessoas – pessoas que estejam alertas ao perigo e sensíveis à necessidade, homens que vão fechar as brechas, e que tomarão posições corajosas em favor de uma retomada espiritual contra todas as forças apóstatas que se opõem a Cristo.



A pergunta que levanto agora é simples e profunda: como podemos nós – você e eu – responder a este chamado de Deus?







Enfrente os Fatos



Primeiro teremos que abrir nossos olhos aos fatos. "Faze-lhe conhecer, pois, todas as suas abominações", foi a ordem que veio a Ezequiel (22.2). Mas Jerusalém queria ver? Não! Ela preferiu continuar vivendo no seu paraíso enganoso de prosperidade iníqua.



Considere estes flashes de denúncias em Ezequiel: "Fizeste-te culpada, e pelos teus ídolos que fabricaste te contaminaste... Os príncipes de Israel, cada um conforme o seu poder, tiveram domínio sobre ti (abusaram do poder) ... As minhas coisas santas desprezaste, e os meus sábados profanaste... No meio de ti cometem perversidade ... Os príncipes (líderes) são como lobos que arrebatam a presa... Os sacerdotes transgridem a minha lei, e profanam as minhas coisas santas."



O Espírito de Deus não tem prazer algum em publicar ou divulgar estas falhas degradantes e perversas da sociedade e da igreja. Ele as traz à tona por uma única razão: para bombardear nossa consciência. Temos que ser despertados, nem que seja através de flechadas divinas, senão a sentença de juízo, com mais tempo ou menos tempo, soará sobre nossas cabeças descobertas.



Como os avivamentos sempre começam dentro da igreja, é indispensável para sua chegada que nós que estamos de dentro enfrentemos os fatos. Conselhos poderosos de igrejas e conferências se reúnem, aprovam resolução após resolução, fazem pronunciamento após pronunciamento, enchem o ar com palavras sofisticadas, e daí? Os grandes deste mundo já descobriram que os que se chamam "filhos de Deus" não são muito sérios. Se fossem, começariam a pôr em ordem sua própria casa.






Enfrente a Verdade Sobre



Si Mesmo



Além disso, se você quiser ser um dos instrumentos de Deus para o avivamento, terá de começar consigo mesmo. Um dos provérbios poderia ser aplicado aqui, com toda sua aspereza, àqueles que são chamados por Deus para promover o avivamento. "Os olhos do louco vagam pelas extremidades da terra" (Provérbios 17.24). Isto significa que o louco se recusa a enfrentar as realidades da sua própria vida. Um escritor popular sobre psiquiatria prática disse certa vez: "Embora você esteja mais interessado em si mesmo do que em qualquer outra coisa no mundo, ainda assim possui uma característica extremamente estranha – uma indisposição de enfrentar a verdade sobre si mesmo!"




Se quisermos ter avivamento espiritual nas nossas igrejas, teremos de alguma forma de combater esta mania de confessar os pecados dos outros ao invés dos nossos próprios. Ao criticar outras pessoas, estamos tentando esconder nossas próprias falhas. Isto é fatal para o bem da nossa alma. É fatal para a vinda e continuidade do avivamento.



Por volta de 1830, Charles Finney foi o instrumento do Espírito de Deus para trazer avivamento para a cidade de Rochester, Nova York e região. Como resultado, mais de 100.000 pessoas entraram nas igrejas como cristãos recém-convertidos. Nas suas palavras: "Um avivamento religioso pode ser esperado quando cristãos começam a confessar seus pecados uns aos outros". Se outra pessoa não fosse encontrada para confirmar sua declaração, teríamos o apóstolo Tiago, que escreveu: "Confessai os vossos pecados uns aos outros... para serdes curados" (Tg 5.16).



Orar por um avivamento é algo que custa caro. Antes de podermos ter regozijo espiritual, precisamos ter humilhação espiritual. E isto não começa com o outro irmão, mas comigo mesmo. "Falemos claramente, de uma vez por todas," diz Cecil Rose, "auto-exame honesto e introspecção não são a mesma coisa. ‘Introspecção’ é olhar para dentro de si, mas não fazer nada a respeito. ‘Auto-exame’ significa permitir que Deus lhe dê um checape geral com vistas a uma cura radical."



É a cura radical que precisamos, senão continuaremos a ser parte do problema ao invés de parte da solução.






Obediência Sacrificial a Deus



Uma terceira coisa que se requer de nós, se quisermos ser pioneiros do avivamento, é prestar a Deus obediência sacrificial. Ouça novamente o que Deus diz: "Busquei entre eles um homem que levantasse o muro, e se pusesse na brecha perante mim por esta terra, para que eu não a destruísse..." Este não é um serviço simples. Exige heroísmo, a disposição de suportar adversidade.



O problema com noventa por cento dos membros de igreja é que entramos no clube do conforto, e deixaríamos o mundo ir para o inferno antes de causar inconveniência a nós mesmos por amor ao Evangelho. Somos vítimas enganadas de sentimentalismo religioso, o que aparece por exemplo na maneira em que transbordamos de entusiasmo em torno de projetos aos quais estamos ligados, ou que favorecem nossos amigos e parentes, enquanto ao mesmo tempo friamente ignoramos as responsabilidades normais de discípulos de Jesus, e a chamada constante para ganhar almas.



O mundo eclesiástico está cheio de cristãos e até de líderes que, mesmo por amor do crucificado Filho de Deus, não se dispõem a sacrificar seu conforto para realizar uma tarefa que somente discípulos totalmente dedicados podem fazer!




Os pioneiros de avivamento precisam ver como tal discipulado é vazio e ineficaz. Precisam parar de se desculpar por não oferecer uma obediência total ao Senhor Jesus, seja qual for seu custo. Muitas vezes estamos falando sobre ministério de tempo integral, quando deveríamos estar acertando antes nossa entrega de coração total para Deus. Não podemos ficar brincando com palavras. O que se requer são entrega e obediência reais.






Poder de Propagação



Para sermos pioneiros de avivamento, temos mencionado três coisas: (1) Enfrente os fatos; (2) Comece consigo mesmo; (3) Ofereça a Deus obediência sacrificial. Há uma quarta palavra que gostaria de incluir: Acredite no poder de propagação do avivamento.



Uma fraqueza da nossa cultura com sua mentalidade de marketing é que colocamos propaganda no lugar da propagação. Propagação é quando algo se estende e multiplica em virtude da liberação de forças interiores – a força da verdade, do amor, e da boa vontade. Não é um processo artificial; é vital.



O avivamento, depois de iniciado, tem um jeito de expandir-se numa reação em cadeia, justamente como a liberação de energia atômica. Um punhado de homens e mulheres humildes em Jerusalém experimentaram avivamento no dia de Pentecoste. Havia apenas umas cento e vinte pessoas. Mas o que receberam de Deus tinha o poder da autopropagação. Espalhou-se de forma tão impressionante pelo Império Romano, que alguns historiadores estimam que dez milhões de pessoas foram alcançadas pelo movimento cristão no primeiro século.



Geralmente tudo começa com a união de algumas poucas mentes e corações numa comunhão de preocupações comuns, e companheirismo de oração com confissão de pecados. Foi isto que aconteceu na Inglaterra no século 18. Wesley e Whitefield pregavam nos campos abertos para até 20.000 pessoas de uma só vez. Mas isto só aconteceu depois que a reação em cadeia havia alcançado plenamente o estágio de explosão. Começou com um pequeno grupo de homens na Universidade Oxford, que estavam preocupados sobre o avivamento nas suas próprias almas e na vida dos cristãos da Grã-Bretanha.




O Dr. J. Edwin Orr diz que o avivamento mais equilibrado e menos emotivo dos tempos modernos foi aquele que tomou conta dos Estados Unidos a partir de 1857. Houve um mínimo de fogo estranho, e um máximo de poder puramente espiritual. Começou, pelo menos naquele país, quando um homem solitário, Jeremiah Lamphier, ajoelhou-se em oração numa Igreja Reformada na Rua Fulton na cidade de Nova York. Alguns outros começaram a juntar-se a ele. A nação estava numa condição terrível. O crime estava alarmante. Por isto era um tempo propício para orar e propagar avivamento. Não demorou muito para esta célula, que começara com uma pessoa e crescera para cinco, transformar-se num tremendo movimento de oração intercessória. Quatro mil pessoas abarrotavam o Salão Jayden em Nova York para orar ao meio-dia. Conversões começaram a acontecer. O país inteiro foi abalado. Quando o despertamento estava no seu auge, foi estimado que cinqüenta mil pessoas estavam se convertendo por semana no país inteiro. No decurso do avivamento, mais de um milhão de pessoas foram acrescentadas às igrejas cristãs.



Daquela tremenda liberação de poder espiritual surgiram ministérios evangelísticos como o de Dwight L. Moody. Vários movimentos poderosos surgiram também, como YMCA e YWCA (movimentos cristãos para moços e moças), e a Escola Dominical. Estes e outros foram tremendamente usados por Deus naquela época.



Deus está procurando pessoas com espíritos angustiados e corações inflamados. Faz mais de cem anos desde aquele avivamento que acabamos de mencionar, que foi chamado o Grande Despertamento. Deus quer nos dar um despertamento no nosso século! Ele está procurando pessoas que possam conduzi-lo, pessoas de espíritos angustiados e corações purificados e inflamados, e que sejam pioneiros do avivamento. Seu clamor fervoroso será como aquele de um colega pioneiro de muito tempo atrás, o profeta Habacuque: "Aviva, ó Senhor, a tua obra no meio dos anos, e no meio dos anos faze-a conhecida; na ira lembra-te da misericórdia" (Hc 3.1).
Fonte: Arauto da Sua Vinda, ano 18, nº 2

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmão ou amigo, faça seu comentário. Alguns comentários podem ser apagados..... Você tem liberdade de escrever o que quiser, porém, sua liberdade está condicionada ao senhorio de Jesus Cristo, às Santas Escrituras e aos objetivos do blog.